Portaria sobre compensação tributária deve gerar judicialização, dizem advogados

A portaria do Ministério da Fazenda que estabelece limites para compensação tributária de empresas no âmbito de decisões judiciais pode ofender a coisa julgada e deve gerar mais judicialização sobre o tema, em especial pela ausência de detalhes de como a medida vai funcionar. A percepção é de advogados tributaristas entrevistados pela revista eletrônica Consultor Jurídico.

Na noite da última sexta-feira (5/1), o governo federal publicou norma que define regras para essas compensações, delineadas a partir dos valores que podem ser abatidos. Em suma, o texto estipula limites mensais para o uso de créditos obtidos por meio de decisão judicial na compensação de dívidas próprias.

As regras funcionarão da seguinte forma: quem tem créditos que variam entre R$ 10 milhões e R$ 99 milhões, deve compensá-los em, no mínimo, 12 meses; nos casos que variam entre R$ 100 milhões e R$ 199,9 milhões, o prazo sobe para 20 meses; entre R$ 200 milhões a R$ 299,9 milhões, serão 30 meses de prazo; para valores entre R$ 300 milhões e 399,9 milhões, o prazo mínimo será de 48 meses.

Nos créditos que variam de R$ 400 milhões a R$ 499,9 milhões, o prazo mínimo de compensação é de 50 meses. Por fim, nos créditos que superam R$ 500 milhões o prazo sobe para 60 meses. A normativa só tem diretrizes para créditos acima dos R$ 10 milhões.

Para os especialistas consultados, há possibilidade de judicialização por ofensa à coisa julgada, uma vez que a norma pode limitar os efeitos de uma sentença que já transitou em julgado. “Além disso, também há ilegalidade da aplicação dos seus efeitos para indébitos anteriores à sua edição, com base nos princípios da segurança jurídica, da proteção da confiança e vedação do enriquecimento ilícito por parte da União”, diz o advogado Alessandro Mendes Cardoso, sócio do Rolim Goulart Cardoso Advogados.

“No que se refere à regulamentação propriamente dita, não está prevista a correção dos créditos pela Selic, no período do início até a finalização da compensação. A não correção dos créditos é uma ilegalidade, caso não seja esclarecida pela Receita Federal a sua possibilidade, e certamente gerará contencioso por parte dos contribuinte.”

“O governo está fazendo mais ou menos como uma família que está bem endividada e começa a vender o almoço para pagar o jantar. Ele está ganhando um pouco de fluxo de caixa, se financiando sobre o contribuinte. Porque quando ele posterga o uso dos créditos, ele sabe que vai pagar depois com juros, mas é juros da Selic. Então é mais barato ele fazer isso do que emitir dívida, por exemplo”, complementa Mateus Bueno, do Bueno Tax Lawyer.

A medida, diz o advogado, é um “desrespeito” com o contribuinte. “Para o contribuinte ter um crédito reconhecido judicialmente, ele já passou cinco a dez anos na Justiça. E agora, mesmo tendo vencido depois de tantos anos, se vê na condição de não poder usar esse crédito de forma imediata , acaba tendo que esperar esses prazos mínimos para fazer o pagamento e gastar caixa para poder quitar sua obrigação no dia a dia”, diz.

Segundo Bueno, o Judiciário deve estabelecer certas diretrizes por meio de interpretações da nova regra, que envolve questões de direito adquirido.

“O Judiciário vai interpretar se a compensação não é um direito do contribuinte, e se essa lei pode disciplinar a colocar esses limites, como já foi feito com a compensação de prejuízo. Aí o contribuinte não vai ter muito sucesso”, argumenta.

Todavia, diz o advogado, “existem bons fundamentos para se discutir que, especialmente para quem já tinha decisões transitadas em julgado e optou pela compensação em vez de precatórios, haveria um direito adquirido de escoar esse crédito”.

“O governo está fazendo mais ou menos como uma família que está bem endividada e começa a vender o almoço para pagar o jantar. Ele está ganhando um pouco de fluxo de caixa, se financiando sobre o contribuinte. Porque quando ele posterga o uso dos créditos, ele sabe que vai pagar depois com juros, mas é juros da Selic. Então é mais barato ele fazer isso do que emitir dívida, por exemplo”, complementa.

Francisco Lisboa Moreira, sócio do Alma Law Advogados, diz que a judicialização deve ocorrer por conta do temor “que o crédito do contribuinte seja alcançado pela prescrição”. “O texto tem um propósito claro de evitar maiores prejuízos ao fluxo de caixa do governo federal, por conta das limitações temporais impostas a contribuintes que poderiam compensar em menos tempo, caso tivessem fluxo de débitos equivalente e que permitisse tal compensação”, afirma.

“Por outro lado, a portaria também não deixa claro que o valor do crédito deve ser considerado isoladamente ou se contempla todos os créditos da pessoa jurídica, no que deve também gerar questionamentos judiciais.”


Fonte: Consultor Jurídico (ConJur) 

 

Galeria de Imagens
Outras Notícias
Denúncia espontânea não se aplica em caso de compensação, decide Carf
Carf afasta PIS sobre correção de provisão técnica de sociedade de capitalização
Portaria sobre compensação tributária deve gerar judicialização, dizem advogados
STF decide que crédito presumido de IPI a exportadoras não integra o PIS/Cofins
Receita Federal regulamenta a ''Autorregularização Incentivada de Tributos'' para contribuintes com débitos fiscais
Os detalhes da MP que limita compensação tributária e reonera a folha
Entra em vigor lei que altera regras de tributação de incentivos fiscais
Ministério da Fazenda anuncia medidas que asseguram a sustentabilidade fiscal
Lula sanciona com veto lei complementar que faz alterações na Lei Kandir
MP de reoneração da folha de salários prevê alíquota cheia a partir de 2028
Justiça Federal condena dois empresários do ramo frigorífico a penas de quatro anos por sonegação fiscal
Crédito presumido de IPI no PIS/Cofins: vence posição próxima à 'tese do século'
Após votação histórica, Congresso promulga a Reforma Tributária. Veja o que muda nos impostos
RFB regulamenta regularização de créditos tributários decorrentes de decisões em favor da Fazenda Nacional com base no voto de qualidade no CARF
Repetitivo vai decidir sobre legalidade da inclusão de PIS e Cofins na base de cálculo do ICMS
STJ decide que PLR de diretor não pode ser abatida do IRPJ e da CSLL
Fazenda ainda luta por manutenção de vetos à multa qualificada e garantias
Câmara aprova medida provisória da tributação dos incentivos fiscais
Novas restrições ao uso de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa na transação
Sancionada lei com nova tributação para fundos de investimentos e offshores
ICMS-ST também não compõe a base de cálculo de PIS e Cofins, decide STJ