Receita esclarece divergência de entendimento na aplicação dos créditos de PIS e COFINS na subcontratação de transporte prestado por empresas do Simples

Recentemente a Receita Federal trouxe esclarecimentos sobre divergências que o próprio fisco detinha sobre a aplicação do disposto no § 20 do artigo 3º da Lei 10.833/03 conjugado com o II do § 19 do mesmo artigo.

O contexto legal em questão aborda a tomada de créditos por empresa de serviço de transporte rodoviário de carga que subcontratar serviço de transporte de carga prestado por empresas do SIMPLES.

Nessa hipótese o crédito é determinado mediante aplicação sobre o valor dos mencionados pagamentos utilizando-se uma alíquota correspondente a 75% (setenta e cinco por cento) da alíquota principal do PIS e da COFINS.

A questão está centralizada na divergência estabelecida entre os próprios auditores fiscais ao qual ficou evidenciado em duas soluções de consulta. (Solução de Consulta nº 374, de 5 de outubro de 2012, da Disit da SRRF07, e a Solução de Consulta nº 22, de 22 de março de 2013, da Disit da SRRF10).

Conquanto a Lei 11.051/04 (que alterou a Lei 10.833/03) entrou em vigência na época que ainda estava em vigência o SIMPLES FEDERAL (Lei 9317/96), surgiram duas interpretações: Aquela que não se opunha a aplicação as empresas do Simples Nacional e a divergente ao qual não se admitia a aplicação do disposto no § 20 do artigo 3º da Lei 10.833/03 porquanto o Sistema do “SIMPLES FEDERAL” não era juridicamente similar ao “SIMPLES NACIONAL” instituído pela LC 123/06.

Porém o COSIT tratou de por fim a essa contradição de entendimento através da publicação da Solução de Divergência nº 2 – Cosit de 5 de agosto de 2020.

Para esta coordenação, o “Simples Nacional não rompe com os princípios e objetivos do Simples Federal, antes aperfeiçoa e aprofunda o referido regime”. Ainda segundo o COSIT, a Lei Complementar nº 123/06, em seu artigo 16º, § 4º, previu o translado automático dos contribuintes optantes do Simples Federal para o Simples Nacional. Isso corrobora para garantir o embasamento e validade jurídica para aplicação do disposto no § 20 do artigo 3º da Lei 10.833/03.

Em conclusão, mesmo a Lei 10.833/03 alterada pela Lei 11.051/04 tendo como aplicação na época de vigência do Simples Federal, os créditos de PIS e COFINS (na forma do § 20 do artigo 3º da Lei 10.833/03) por empresa de serviço de transporte rodoviário de carga que subcontratar serviço de transporte de carga prestado por em presas do SIMPLES NACIONAL, podem ser devidamente aproveitados, já que a interpretação sistemática e finalística do referido diploma legal continua válido, ou seja, não foi revogado junto com a extinção do Simples Federal.

Referência:

Solução de Divergência nº 2 – Cosit de 5 de agosto de 2020 

Por Jefferson Souza

Tributario.com.br

Galeria de Imagens
Outras Notícias
Empresa tem direito à devolução remunerada dos investimentos que efetuou em sociedade
É válida a recusa da União em receber debêntures como garantia em execução fiscal em razão da baixa liquidez e da difícil alienação
STF confirma prazo de 90 dias para entrada em vigor da MP sobre compensação fiscal para consumidor final de combustíveis
Pedido de compensação não interrompe o prazo prescricional para a repetição de indébito
STJ decide que Seguro-garantia com prazo insuficiente não serve para garantir execução fiscal
Bloqueio via Bacenjud não abrange parcelamento anterior do débito fiscal
Imóvel de empresa usado como moradia de sócio e dado em caução de locação comercial é impenhorável
Clínica de anestesiologia não é serviço hospitalar e não cabe benefício fiscal
A nova interpretação da imunidade do ITBI na integralização do capital social
Prazo máximo de renovação compulsória de aluguel comercial é de cinco anos
Existindo acordo para evitar a bitributação, lucros auferidos por controlada no exterior não podem ser tributados no Brasil
SC Disit/SRRF06 nº 6012 – PIS/COFINS – Administradora de Grupos de Consórcio – Vale transporte
SC Disit/SRRF06 nº 6009 – Lucro Presumido – Atividade Imobiliária – Ganho de capital
Decreto exclui do imposto de importação o valor da capatazia realizada em território nacional
STJ segue STF e aplica Convenção de Montreal em indenização por extravio de carga em voo internacional
Cuidados necessários para brasileiros que declaram IR no Brasil e nos EUA
STF afasta incidência do IR sobre pensões alimentícias decorrentes do direito de família
Fundos imobiliários vencem disputa com a Receita na Câmara Superior do Carf
STJ: Para Ministro, condição de procurador de empresa não basta para condenação por crime tributário
Em casos de partilha consensual com divisão desigual de bens, não há incidência de ITBI
CSRF analisa se é possível pedir restituição de indébito pago por compensação