Receita esclarece divergência de entendimento na aplicação dos créditos de PIS e COFINS na subcontratação de transporte prestado por empresas do Simples

Recentemente a Receita Federal trouxe esclarecimentos sobre divergências que o próprio fisco detinha sobre a aplicação do disposto no § 20 do artigo 3º da Lei 10.833/03 conjugado com o II do § 19 do mesmo artigo.

O contexto legal em questão aborda a tomada de créditos por empresa de serviço de transporte rodoviário de carga que subcontratar serviço de transporte de carga prestado por empresas do SIMPLES.

Nessa hipótese o crédito é determinado mediante aplicação sobre o valor dos mencionados pagamentos utilizando-se uma alíquota correspondente a 75% (setenta e cinco por cento) da alíquota principal do PIS e da COFINS.

A questão está centralizada na divergência estabelecida entre os próprios auditores fiscais ao qual ficou evidenciado em duas soluções de consulta. (Solução de Consulta nº 374, de 5 de outubro de 2012, da Disit da SRRF07, e a Solução de Consulta nº 22, de 22 de março de 2013, da Disit da SRRF10).

Conquanto a Lei 11.051/04 (que alterou a Lei 10.833/03) entrou em vigência na época que ainda estava em vigência o SIMPLES FEDERAL (Lei 9317/96), surgiram duas interpretações: Aquela que não se opunha a aplicação as empresas do Simples Nacional e a divergente ao qual não se admitia a aplicação do disposto no § 20 do artigo 3º da Lei 10.833/03 porquanto o Sistema do “SIMPLES FEDERAL” não era juridicamente similar ao “SIMPLES NACIONAL” instituído pela LC 123/06.

Porém o COSIT tratou de por fim a essa contradição de entendimento através da publicação da Solução de Divergência nº 2 – Cosit de 5 de agosto de 2020.

Para esta coordenação, o “Simples Nacional não rompe com os princípios e objetivos do Simples Federal, antes aperfeiçoa e aprofunda o referido regime”. Ainda segundo o COSIT, a Lei Complementar nº 123/06, em seu artigo 16º, § 4º, previu o translado automático dos contribuintes optantes do Simples Federal para o Simples Nacional. Isso corrobora para garantir o embasamento e validade jurídica para aplicação do disposto no § 20 do artigo 3º da Lei 10.833/03.

Em conclusão, mesmo a Lei 10.833/03 alterada pela Lei 11.051/04 tendo como aplicação na época de vigência do Simples Federal, os créditos de PIS e COFINS (na forma do § 20 do artigo 3º da Lei 10.833/03) por empresa de serviço de transporte rodoviário de carga que subcontratar serviço de transporte de carga prestado por em presas do SIMPLES NACIONAL, podem ser devidamente aproveitados, já que a interpretação sistemática e finalística do referido diploma legal continua válido, ou seja, não foi revogado junto com a extinção do Simples Federal.

Referência:

Solução de Divergência nº 2 – Cosit de 5 de agosto de 2020 

Por Jefferson Souza

Tributario.com.br

Galeria de Imagens
Outras Notícias
Denúncia espontânea não se aplica em caso de compensação, decide Carf
Carf afasta PIS sobre correção de provisão técnica de sociedade de capitalização
Portaria sobre compensação tributária deve gerar judicialização, dizem advogados
STF decide que crédito presumido de IPI a exportadoras não integra o PIS/Cofins
Receita Federal regulamenta a ''Autorregularização Incentivada de Tributos'' para contribuintes com débitos fiscais
Os detalhes da MP que limita compensação tributária e reonera a folha
Entra em vigor lei que altera regras de tributação de incentivos fiscais
Ministério da Fazenda anuncia medidas que asseguram a sustentabilidade fiscal
Lula sanciona com veto lei complementar que faz alterações na Lei Kandir
MP de reoneração da folha de salários prevê alíquota cheia a partir de 2028
Justiça Federal condena dois empresários do ramo frigorífico a penas de quatro anos por sonegação fiscal
Crédito presumido de IPI no PIS/Cofins: vence posição próxima à 'tese do século'
Após votação histórica, Congresso promulga a Reforma Tributária. Veja o que muda nos impostos
RFB regulamenta regularização de créditos tributários decorrentes de decisões em favor da Fazenda Nacional com base no voto de qualidade no CARF
Repetitivo vai decidir sobre legalidade da inclusão de PIS e Cofins na base de cálculo do ICMS
STJ decide que PLR de diretor não pode ser abatida do IRPJ e da CSLL
Fazenda ainda luta por manutenção de vetos à multa qualificada e garantias
Câmara aprova medida provisória da tributação dos incentivos fiscais
Novas restrições ao uso de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa na transação
Sancionada lei com nova tributação para fundos de investimentos e offshores
ICMS-ST também não compõe a base de cálculo de PIS e Cofins, decide STJ