STF cassa reconhecimento de vínculo empregatício de corretores PJ com construtora

Decisões dos ministros Cármen Lúcia e Dias Toffoli acolheram reclamações constitucionais de construtora

Em dois processos distintos, os ministros Cármen Lúcia e Dias Toffoli, do  Supremo Tribunal Federal (STF), cassaram decisões do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT2) que haviam estabelecido vínculo empregatício de corretores que prestavam serviços como pessoa jurídica (PJ) com a construtora Metrocasa. Os casos foram julgados nas  RCL 63.231 e RCL 63.474,

A construtora sustentou que as decisões teriam desrespeitado a autoridade do STF e a eficácia da jurisprudência vinculada ao Tema 725, que estabeleceu a licitude de terceirização ou qualquer outra forma de divisão do trabalho entre pessoas jurídicas distintas, independentemente do objeto social das empresas envolvidas, mantida a responsabilidade subsidiária da empresa contratante.

Em ambas as decisões, a construtora afirmou ser “uma empresa do ramo de construção civil que desenvolve atividades de construção de edifícios com unidades para moradia de pessoa de baixa renda” e que no caso de seus “consultores de venda”, a contratação se dá por meio de contrato de prestação de serviços, “sem exclusividade ou qualquer outro requisito de uma relação de trabalho entre pessoas jurídicas distintas”.

No caso julgado na RCL 62.231, o TRT2 havia reconhecido o vínculo de emprego de uma mulher com a com a Metrocasa por serviços prestados de intermediação de venda de imóveis de junho de 2021 a fevereiro de 2022. A mulher entrou com ação contra a construtora alegando ter prestado serviços como corretora de imóveis, trabalhado na sede da empresa diariamente e emitido notas fiscais para receber pagamentos.

No entendimento da relatora, ministra Cármen Lúcia, a “decisão desafina do entendimento adotado pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento da ADPF 324”, de sua autoria, que decidiu pela licitude da terceirização em todas as etapas do processo produtivo. A ministra também afirmou que a “ausência de esgotamento das vias ordinárias no processo de origem impede a análise da presente reclamação quanto a eventual descumprimento do Tema 725 da repercussão geral pela autoridade reclamada”.

Já no caso julgado na RCL 63.474, o TRT2 havia reconhecido o vínculo de emprego de um homem com a construtora, assim como pagamento das verbas rescisórias e indenização por danos morais. O valor arbitrado da condenação foi de R$ 120 mil. O homem havia sido contratado de outubro de 2020 a outubro de 2021, para prestar serviços de prospecção e negociação de lotes para construção de prédios da Metrocasa.

Na decisão, o relator, ministro Dias Toffolli, seguiu a mesma linha de Cármen Lúcia, de que há jurisprudência sobre o tema, assim como também a “ausência de condição de vulnerabilidade na opção pelo contrato firmado na relação jurídica estabelecida a justificar a proteção estatal por meio do Poder Judiciário”.

Toffoli também destacou a necessidade de que as partes beneficiárias em processos trabalhistas sejam notificadas sobre o teor do precedente vinculante, com objetivo de “poupar tempo e recursos escassos” do Poder Judiciário.

Para o advogado Francisco André Cardoso de Araújo, que atuou na causa defendendo a construtora, o TRT2 “vem desconsiderando, sistematicamente, contratos de prestação de serviços com natureza civil, firmados entre pessoas jurídicas independentes, para o fim de constituir-se vínculo de natureza trabalhista entre essas pessoas, sob a alegação de fraude, à luz do princípio da primazia da realidade”.

“O STF já decidiu, reiteradamente, ser lícita a terceirização por ‘pejotização’, não havendo falar em irregularidade na contratação de pessoa jurídica formada por profissionais liberais para prestar serviços terceirizados. Portanto, confia-se que a Justiça do Trabalho ajuste seu posicionamento ao entendimento da Corte Suprema”, afirmou.

Os processos tramitam com os números 1000370-55.2022.5.02.005 e 1000128-90.2022.5.02.0053 no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região.

Fonte: Jota

Galeria de Imagens
Outras Notícias
Denúncia espontânea não se aplica em caso de compensação, decide Carf
Carf afasta PIS sobre correção de provisão técnica de sociedade de capitalização
Portaria sobre compensação tributária deve gerar judicialização, dizem advogados
STF decide que crédito presumido de IPI a exportadoras não integra o PIS/Cofins
Receita Federal regulamenta a ''Autorregularização Incentivada de Tributos'' para contribuintes com débitos fiscais
Os detalhes da MP que limita compensação tributária e reonera a folha
Entra em vigor lei que altera regras de tributação de incentivos fiscais
Ministério da Fazenda anuncia medidas que asseguram a sustentabilidade fiscal
Lula sanciona com veto lei complementar que faz alterações na Lei Kandir
MP de reoneração da folha de salários prevê alíquota cheia a partir de 2028
Justiça Federal condena dois empresários do ramo frigorífico a penas de quatro anos por sonegação fiscal
Crédito presumido de IPI no PIS/Cofins: vence posição próxima à 'tese do século'
Após votação histórica, Congresso promulga a Reforma Tributária. Veja o que muda nos impostos
RFB regulamenta regularização de créditos tributários decorrentes de decisões em favor da Fazenda Nacional com base no voto de qualidade no CARF
Repetitivo vai decidir sobre legalidade da inclusão de PIS e Cofins na base de cálculo do ICMS
STJ decide que PLR de diretor não pode ser abatida do IRPJ e da CSLL
Fazenda ainda luta por manutenção de vetos à multa qualificada e garantias
Câmara aprova medida provisória da tributação dos incentivos fiscais
Novas restrições ao uso de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa na transação
Sancionada lei com nova tributação para fundos de investimentos e offshores
ICMS-ST também não compõe a base de cálculo de PIS e Cofins, decide STJ