STF nega reclamação e mantém vínculo empregatício entre corretores e construtora

A 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) negou, na última sexta-feira (15/9), por 3 votos a 2, um recurso contra uma decisão em que o ministro Luiz Fux havia mudado de posição, e manteve acórdãos da Justiça do Trabalho que reconheceram a existência de vínculo empregatício entre corretores e empresas do grupo Cyrela.

A construtora é a autora das RCLs 56.098 e 57.133, em que são questionados acórdãos dos Tribunais Regionais do Trabalho da 1ª Região (TRT1) e da 2ª Região (TRT2). A empresa alegou que as decisões não observaram os precedentes firmados pelo STF sobre terceirização e pejotização.

O julgamento das reclamações é relevante, porque ilustra a tendência de se levar ao Supremo julgados sobre novas formas de relações de trabalho. Ao mesmo tempo, indica como essas decisões têm sido derrubadas ou mantidas pelos ministros do STF, bem como as tendências de votos entre os ministros e entre as Turmas da Corte.

Em junho, o ministro Luiz Fux, relator das RCLs 56.098 e 57.133, decidiu monocraticamente anular os atos do TRT1 e do TRT2, por entender que a Justiça Trabalhista desconsiderou a decisão proferida na ADPF 324 na qual o Supremo declarou ser válida a terceirização em todas as atividades empresariais.

A conclusão do relator foi alvo de recursos da Procuradoria-Geral da República (PGR) e da defesa de um dos trabalhadores. Os recorrentes sustentaram não haver relação estrita entre as decisões trabalhistas e os precedentes do STF sobre terceirização.

E, numa reviravolta, Fux acolheu os argumentos e julgou que os Tribunais não invalidaram a prestação de serviços de corretagem de imóveis na modalidade autônoma, apenas entenderam existir vínculo empregatício, “com base em ampla análise do conjunto probatório produzido em primeira instância”.

“O acórdão reclamado assentou, com base em testemunhos e provas relacionadas, por exemplo, à existência de escala de plantões a que se submetia o beneficiário, não ter o mesmo jamais atuado de forma autônoma junto à empresa reclamante, havendo, antes, subordinação entre ele e gerentes da empresa — subordinação esta que caracterizaria, à luz do princípio da primazia da realidade, o vínculo empregatício”, afirmou o ministro.

Segundo o relator, revisar o entendimento das Cortes trabalhistas demandaria a reanálise das provas, o que não pode ser feito por meio de reclamação. Por essa razão, e pela falta de aderência estrita entre as decisões e os precedentes do STF, o ministro negou seguimento às reclamações.

O posicionamento foi contestado em novos recursos, agora da Cyrela, apreciados pela 1ª Turma em sessão virtual de 8 a 15 de setembro. No julgamento, o ministro Luiz Fux reiterou o que havia dito. O relator foi acompanhado pelos ministros Cristiano Zanin e Cármen Lúcia.

O ministro Alexandre de Moraes abriu a divergência, concluindo haver relação entre as decisões e os entendimentos do Supremo, de modo que estes deveriam prevalecer, “sob pena de surgirem soluções antagônicas para a mesma controvérsia”. O ministro Luís Roberto Barroso acompanhou o colega. Terminaram vencidos. 

Procurada, a Cyrela não se manifestou até a publicação desta reportagem. O espaço segue aberto. 


Fonte: JOTA

Galeria de Imagens
Outras Notícias
Denúncia espontânea não se aplica em caso de compensação, decide Carf
Carf afasta PIS sobre correção de provisão técnica de sociedade de capitalização
Portaria sobre compensação tributária deve gerar judicialização, dizem advogados
STF decide que crédito presumido de IPI a exportadoras não integra o PIS/Cofins
Receita Federal regulamenta a ''Autorregularização Incentivada de Tributos'' para contribuintes com débitos fiscais
Os detalhes da MP que limita compensação tributária e reonera a folha
Entra em vigor lei que altera regras de tributação de incentivos fiscais
Ministério da Fazenda anuncia medidas que asseguram a sustentabilidade fiscal
Lula sanciona com veto lei complementar que faz alterações na Lei Kandir
MP de reoneração da folha de salários prevê alíquota cheia a partir de 2028
Justiça Federal condena dois empresários do ramo frigorífico a penas de quatro anos por sonegação fiscal
Crédito presumido de IPI no PIS/Cofins: vence posição próxima à 'tese do século'
Após votação histórica, Congresso promulga a Reforma Tributária. Veja o que muda nos impostos
RFB regulamenta regularização de créditos tributários decorrentes de decisões em favor da Fazenda Nacional com base no voto de qualidade no CARF
Repetitivo vai decidir sobre legalidade da inclusão de PIS e Cofins na base de cálculo do ICMS
STJ decide que PLR de diretor não pode ser abatida do IRPJ e da CSLL
Fazenda ainda luta por manutenção de vetos à multa qualificada e garantias
Câmara aprova medida provisória da tributação dos incentivos fiscais
Novas restrições ao uso de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa na transação
Sancionada lei com nova tributação para fundos de investimentos e offshores
ICMS-ST também não compõe a base de cálculo de PIS e Cofins, decide STJ