A reforma tributária sob a ótica do comércio exterior

A proposta da reforma tributária tende a trazer implicações para as operações de comércio exterior tal qual conhecemos

Por Raquel Cavalcanti

 

A proposta da reforma tributária aprovada pela Câmara dos Deputados e atualmente em processo de votação no Senado Federal tem sido amplamente discutida. Diversas abordagens foram adotadas para analisar o tema, considerando a perspectiva setorial, dos estados e dos consumidores, o que garantiu ao assunto um espaço de destaque no debate público. Responsável por cerca de 40% do PIB brasileiro, o comércio exterior não escapará ileso frente ao novo sistema tributário, de tal forma que faz jus a uma análise adequada e específica.

A legislação aduaneira no Brasil tem experimentado, nos últimos anos, uma evidente modernização. As atualizações e integrações normativas consolidaram diferentes modalidades de regimes e ampliaram os benefícios oferecidos. O regime de Drawback, por exemplo, criado em 1966, originalmente permitia a isenção de impostos apenas para insumos importados. Em 2010, com o estabelecimento do Drawback Integrado, essa restrição foi superada ao equiparar os insumos importados aos adquiridos localmente. Adicionalmente, o alcance desse regime foi expandido para a cadeia produtiva por meio da modalidade Intermediário.

Regimes complexos como o Recof[1] e o Repetro[2], em suas versões SPED[3], passaram a adotar o controle por meio de obrigações acessórias eletrônicas, o que tornou a utilização mais acessível e prática, dispensando a necessidade de sistemas informatizados.

Feitas as ressalvas e, embora haja pontos positivos, é importante ressaltar que a carga tributária média nas importações impõe um ônus considerável, podendo chegar a até 70% do valor aduaneiro do produto no momento do desembaraço. Além disso, tem-se nota de distorções significativas como a exportação de resíduos tributários acumulados ao longo das etapas da cadeia produtiva. Alternativamente, a utilização de regimes especiais, seja na esfera federal ou estadual, ganhou espaço como um instrumento de eficiência e planejamento tributário.

A reforma tributária propõe limites a concessão de incentivos fiscais, mecanismos atualmente caros à competitividade das empresas brasileiras no exterior. O regime aduaneiro especial se diferencia do regime tributário especial em escopo e propósito. O regime tributário especial se refere a um conjunto de regras direcionadas a determinados setores, atividades ou empresas, com o objetivo de conceder benefícios fiscais ou simplificar o pagamento de impostos, como redução de alíquotas ou bases de cálculo, concessão de créditos presumidos, regimes de apuração diferenciados, dentre outros. O regime aduaneiro especial, por sua vez, não está limitado a lógica doméstica e parte de uma convenção internacional, abrange normas e procedimentos específicos aplicados às operações de comércio exterior, visando facilitar e incentivar as exportações através de benefícios aduaneiros, como isenção ou redução do custo tributário.

Alguns regimes aduaneiros de caráter suspensivo possuem uma função primariamente logística, não estando sequer ligados à redução da carga tributária, mas sim possibilitando benefícios relacionados ao trânsito ou ao armazenamento aduaneiro. Esses regimes têm impacto no controle do fluxo de caixa, no gerenciamento de estoques e representam uma forma de criar estratégias de mercado de extrema relevância em um país de dimensões continentais como o Brasil. Alguns exemplos desses regimes são o entreposto alfandegado, o trânsito aduaneiro e a admissão temporária que foram convencionados, com a adesão brasileira, no contexto da Organização Mundial das Aduanas.

Sob a perspectiva dos regimes aduaneiros destinados a incentivar as exportações, como o Drawback, Recof e o Repetro, a principal finalidade é a isenção do Adicional do Frete para Renovação da Marinha Mercante (AFRMM), em embarques marítimos, e do Imposto de Importação, que é definido na Tarifa Externa Comum (TEC). Esses tributos tampouco são alcançados pela reforma tributária em discussão, que se concentra principalmente na criação de dois novos impostos sobre valor agregado — a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) e o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), em substituirão ao IPI, PIS, COFINS, ICMS e o ISS.

O conceito de alíquota única aliado ao princípio do destino (onde a alíquota e a arrecadação estão vinculadas ao local de consumo), em contrapartida, impactará os incentivos fiscais do ICMS concedidos pelos estados e validados pela Lei Complementar nº 160/17.

A atuação das tradings companies, envolvidas no serviço de importação indireta incentivada, tenderá a desafios significativos. Nesse contexto, discussões quanto o estabelecimento de filiais no estado onde ocorra o desembaraço podem se tornar irrelevantes.

A proposta enfatiza a garantia da não cumulatividade plena, o que abriria caminho para a utilização de créditos tributários como forma de compensação do pagamento dos tributos aduaneiros (IVA-Importação). Atualmente, esses tributos são pagos “antecipadamente” no momento do desembaraço. Nesse cenário, o importador ganharia em fluxo de caixa e a implementação dessa lógica de compensação teria um efeito similar aos regimes de natureza suspensiva.

Ademais, é presumível que o mecanismo do Reintegra, atualmente estabelecido em uma alíquota mínima de 0,1% e destinado a restituir resíduos tributários sobre as exportações, se torne ineficaz ou necessite passar por uma reformulação significativa. Considerando a redação de reforma tributária aprovada na Câmara dos Deputados, entende-se que as exceções tarifárias elegíveis às máquinas e equipamentos sem similar nacional, o chamado “Ex-tarifário”, seguirão ilesas como forma de estímulo a indústria, geração de emprego e renda.

Por fim, o Imposto Seletivo, com seu caráter regulatório, incorpora a sigla ESG (Environmental, Social and Governance) ao sistema tributário brasileiro. Tomando como exemplo o “imposto sobre o carbono” aplicado às importações industriais nas economias europeias, surge a ideia de um pedágio ambiental que incidirá sobre produtos prejudiciais à saúde e ao meio ambiente. Nesse sentido, não seria surpreendente considerar a possibilidade de compensação deste imposto por meio de créditos sustentáveis.

A proposta da reforma tributária tende a trazer implicações para as operações de comércio exterior tal qual conhecemos. No entanto, o tratamento tributário diferenciado e a lógica da desoneração são “árbitros” cruciais para equilibrar a balança comercial de um país. As exportações são fontes importantes de receita, impulsionam o crescimento econômico, criam empregos e promovem a competitividade das empresas. Além disso, permitem o acesso a novos mercados e promovem uma imagem positiva do país no exterior, destacando sua capacidade produtiva e a qualidade de seus produtos e serviços.

[1] Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Aduaneiro Informatizado.


[2] Regime aduaneiro especial de exportação e de importação de bens destinados às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e de gás natural.


[3] Sistema Público de Escrituração Digital.

Fonte: Jota

Galeria de Imagens
Outras Notícias
Denúncia espontânea não se aplica em caso de compensação, decide Carf
Carf afasta PIS sobre correção de provisão técnica de sociedade de capitalização
Portaria sobre compensação tributária deve gerar judicialização, dizem advogados
STF decide que crédito presumido de IPI a exportadoras não integra o PIS/Cofins
Receita Federal regulamenta a ''Autorregularização Incentivada de Tributos'' para contribuintes com débitos fiscais
Os detalhes da MP que limita compensação tributária e reonera a folha
Entra em vigor lei que altera regras de tributação de incentivos fiscais
Ministério da Fazenda anuncia medidas que asseguram a sustentabilidade fiscal
Lula sanciona com veto lei complementar que faz alterações na Lei Kandir
MP de reoneração da folha de salários prevê alíquota cheia a partir de 2028
Justiça Federal condena dois empresários do ramo frigorífico a penas de quatro anos por sonegação fiscal
Crédito presumido de IPI no PIS/Cofins: vence posição próxima à 'tese do século'
Após votação histórica, Congresso promulga a Reforma Tributária. Veja o que muda nos impostos
RFB regulamenta regularização de créditos tributários decorrentes de decisões em favor da Fazenda Nacional com base no voto de qualidade no CARF
Repetitivo vai decidir sobre legalidade da inclusão de PIS e Cofins na base de cálculo do ICMS
STJ decide que PLR de diretor não pode ser abatida do IRPJ e da CSLL
Fazenda ainda luta por manutenção de vetos à multa qualificada e garantias
Câmara aprova medida provisória da tributação dos incentivos fiscais
Novas restrições ao uso de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa na transação
Sancionada lei com nova tributação para fundos de investimentos e offshores
ICMS-ST também não compõe a base de cálculo de PIS e Cofins, decide STJ