Itália cria imposto de 40% sobre 'lucro extraordinário' de bancos com juros mais altos

Ações de instituições financeiras desabam com anúncio. Espanha já adotou medida similar

A Itália anunciou a cobrança de um imposto de 40% sobre o que o governo chamou de "lucros extraordinários" dos bancos. O argumento é de que a alta na taxa de juros praticada na Europa aumentou de forma atípica os ganhos das instituições financeiras. O Banco Central Europeu tem subido a taxa básica de juros nos países do euro desde meados do ano passado para tentar conter a escalada da inflação.

Segundo o governo italiano, os bancos locais não repassaram aos poupadores (que depositam os recursos nas instituições financeiras em troca de uma remuneração paga em juros) o ganho maior com a alta nas taxas do euro.

Por isso, agora, haverá a cobrança de um imposto extra sobre este lucro adicional das instituições financeiras.

O anúncio do novo imposto derrubou as ações de bancos italianos e de outros de países europeus. Espanha e Hungria já adotaram tributos similares sobre os ganhos de instituições financeiras e há o temor de que outros governos sigam a mesma estratégia.

As ações do banco Intesa Sanpaolo caíam 8,6% na manhã desta terça-feira e os papéis do UniCredit recuavam 6,7%. Segundo estimativas da Bloomberg, em poucas horas o valor de mercado dos principais bancos italianos foi reduzido em nada menos do que US$ 9,5 bilhões.

Ao anunciar a medida na noite de segunda-feira, o vice-primeiro ministro Matteo Salvini argumentou que os bancos estão ganhando muito com os juros mais altos:

"É só olhar para os lucros dos bancos no primeiro semestre para perceber que não estamos falando de alguns milhões, mas sim de bilhões"

A expectativa é que o governo italiano arrecade € 3 bilhões com o imposto, que será cobrado uma única vez, em junho de 2024, tendo como referência o lucro dos bancos este ano com o spread de juros (diferença entre o que recebe nas suas operações de empréstimo e o quanto remunera seus poupadores).

O governo de direita da primeira-ministra Giorgia Meloni busca encontrar recursos para financiar programas de apoio às famílias italianas para lidarem com uma alta no custo de vida e com um aumento nos juros dos financiamentos habitacionais.

Não é só na Itália que os governos tentam apertar o cerco aos lucros extras dos bancos com a alta dos juros. O governo espanhol também surpreendeu os investidores no ano passado quando anunciou que cobraria um imposto extra dos bancos à medida que as taxas de juros subiam, com o objetivo de arrecadar € 3 bilhões o longo de dois anos.

O imposto será aplicado em 2023 e 2024 e faz parte de uma série de medidas implementadas pelo primeiro-ministro socialista Pedro Sánchez para financiar políticas que visam mitigar o impacto da inflação. O país pretende impor uma taxa de 4,8% sobre a receita dos bancos proveniente de juros e comissões.

No Reino Unido, os bancos têm enfrentado acusações de "lucro excessivo", já que o aumento das taxas de juros aumenta suas margens de empréstimos num ritmo maior do que essas instituições elevam a remuneração dos depósitos feitos pelos poupadores. Alguns políticos de oposição estão levantando a ideia de mais impostos extraordinários em meio a uma crise contínua de custo de vida.

Alguns países bálticos também estão considerando medidas para aumentar os impostos sobre os bancos comerciais após o aumento das taxas de juros que impulsionaram os lucros. Legisladores lituanos aprovaram, em maio, um imposto extraordinário temporário sobre os bancos para financiar os gastos com defesa.

A Estônia planeja aumentar o nível do imposto sobre os bancos para 18%, saindo de 14%, como parte de uma série de medidas fiscais para reduzir o déficit orçamentário, e a Letônia pode seguir o exemplo.

Depois de um longo período em que manteve seus juros básicos em zero, a União Europeia começou a elevar a taxa em julho de 2022 e, hoje, o patamar é de 4,25% ao ano. O objetivo foi coibir a alta da inflação provocada principalmente pelos efeitos da reabertura da economia após a pandemia da Covid e pela Guerra na Ucrânia.

No Reino Unido, a taxa básica de juros que era de 1,25% ao ano em junho de 2022 hoje é de 5,25% ao ano.


Fonte: O Globo 

Galeria de Imagens
Outras Notícias
Denúncia espontânea não se aplica em caso de compensação, decide Carf
Carf afasta PIS sobre correção de provisão técnica de sociedade de capitalização
Portaria sobre compensação tributária deve gerar judicialização, dizem advogados
STF decide que crédito presumido de IPI a exportadoras não integra o PIS/Cofins
Receita Federal regulamenta a ''Autorregularização Incentivada de Tributos'' para contribuintes com débitos fiscais
Os detalhes da MP que limita compensação tributária e reonera a folha
Entra em vigor lei que altera regras de tributação de incentivos fiscais
Ministério da Fazenda anuncia medidas que asseguram a sustentabilidade fiscal
Lula sanciona com veto lei complementar que faz alterações na Lei Kandir
MP de reoneração da folha de salários prevê alíquota cheia a partir de 2028
Justiça Federal condena dois empresários do ramo frigorífico a penas de quatro anos por sonegação fiscal
Crédito presumido de IPI no PIS/Cofins: vence posição próxima à 'tese do século'
Após votação histórica, Congresso promulga a Reforma Tributária. Veja o que muda nos impostos
RFB regulamenta regularização de créditos tributários decorrentes de decisões em favor da Fazenda Nacional com base no voto de qualidade no CARF
Repetitivo vai decidir sobre legalidade da inclusão de PIS e Cofins na base de cálculo do ICMS
STJ decide que PLR de diretor não pode ser abatida do IRPJ e da CSLL
Fazenda ainda luta por manutenção de vetos à multa qualificada e garantias
Câmara aprova medida provisória da tributação dos incentivos fiscais
Novas restrições ao uso de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa na transação
Sancionada lei com nova tributação para fundos de investimentos e offshores
ICMS-ST também não compõe a base de cálculo de PIS e Cofins, decide STJ