A tributação de pessoas físicas por aplicações financeiras e trusts no exterior

Acordamos no feriado do Dia do Trabalho com a relevante notícia da publicação da MP 1171, de 30 de abril de 2023, que propõe importantes alterações na tributação das pessoas físicas residentes no Brasil.  

Se, por um lado, a nova legislação atualiza a tabela progressiva com efeitos imediatos (desde 1º de maio), por outro lado pode aumentar substancialmente a tributação dos investimentos externos de pessoas físicas residentes no país, com implicações majoritariamente aplicáveis a partir de 2024. 

A medida provisória depende de aprovação pelo Congresso Nacional em um prazo de 60 dias, prorrogável por mais 60 dias. Se aprovada com o texto original, as pessoas físicas residentes no país passarão a ser tributadas pelos rendimentos de aplicações financeiras no exterior, bem como pelos lucros e dividendos de entidades controladas e por bens e direitos objeto de trusts de forma separada dos demais rendimentos e dos ganhos de capital dispostos na Declaração de Ajuste Anual (DAA).  

A despeito de alguns méritos, como a tentativa de aumentar a segurança jurídica por meio da regulamentação dos efeitos tributários dos bens e direitos objeto de trust no exterior, a MP não está livre de críticas e pontos negativos que devem ser sopesados. Este artigo busca trazer luz a algumas ponderações aplicáveis à legislação proposta. 

Aplicações financeiras  

Atualmente, quando o valor da renda decorrente da aplicação financeira é passível de saque pelo beneficiário, sua tributação se dá sob a sistemática dos ganhos de capital (Ato Declaratório Interpretativo SRF 8, de 23 de abril de 2003), às alíquotas de 15% (para ganhos de até R$ 5 milhões), 17,5% (para ganhos de R$ 5 milhões a R$ 10 milhões), 20% (para ganhos de R$ 10 milhões a R$ 30 milhões) e 22,5% (para ganhos superiores a R$ 30 milhões).  

Tais rendimentos externos, pela atual redação da MP 1171/2023, ficarão sujeitos ao Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF), no ajuste anual, às seguintes alíquotas (sem a possibilidade de deduções da base de cálculo): 1) 0% sobre a parcela anual dos rendimentos que não ultrapassar R$ 6.000,00; 2) 15% sobre a parcela anual dos rendimentos que exceder a R$ 6.000,00 e não ultrapassar R$ 50.000,00; 3) 22,5% sobre a parcela anual dos rendimentos que ultrapassar R$ 50.000,00. 

Como se vê, a nova legislação introduz uma faixa de isenção para rendimentos anuais que não ultrapassem R$ 6 mil reais. Porém, para todas as demais faixas apresenta aumento da carga tributária, já que as alíquotas progressivas incidirão sobre valores muito menores (de 15% para rendas de R$ 6 mil a R$ 50 mil, e a alíquota de 22,5% para rendas superiores a R$ 50.000,00, ao invés de R$ 30 milhões, que seria o volume de ganho a partir do qual a mesma alíquota se aplicaria sobre ganhos na sistemática atual). 

Ademais, como a nova tributação ocorrerá sob a sistemática aplicável a “rendimentos”, a nosso ver não será mais possível o aproveitamento da isenção para bens e direitos de pequeno valor, que afasta a tributação dos “ganhos de capital” auferidos na alienação cujo preço unitário de alienação, no mês, seja igual ou inferior a R$ 35 mil.  

Para um país que já sofre com uma ampla regressividade em seu sistema tributário, tornam-se ainda mais relevante os valores de justiça distributiva e solidariedade social presentes na progressividade do imposto sobre a renda. Não parece, entretanto, que o seu aumento seja finalidade da nova norma. Muito pelo contrário, ela foi diminuída com a quase supressão das faixas de progressividade.  

Em sua exposição de motivos para a MP 1171, o ministro da Fazenda parece indicar que a alíquota de 22,5% se justifica por ser a alíquota máxima do imposto de renda incidente sobre as aplicações financeiras de curto prazo no Brasil. Lembramos, contudo, que essa tributação geralmente se impõe domesticamente a aplicações de renda fixa, sendo que a alíquota de 15% normalmente se destina a aplicações de renda variável, mais baixa exatamente por conta do elevado risco assumido (na renda variável). Deste modo, a imposição da alíquota de 22,5% às rendas variáveis do exterior representa claro aumento de carga tributária, injustificado sob o ponto de vista da isonomia, pois descolada da tributação imposta aos investimentos domésticos equivalentes. 

O reconhecimento tributário da renda quando da sua realização, conforme previsto na MP, é igualmente adotado sob as regras hoje em vigor, com a relevante diferença de que as aplicações financeiras são tributadas operação a operação, sem a possibilidade de aproveitamento das perdas apuradas em algumas delas contra ganhos auferidos em outras.  

Com a nova sistemática, todas as rendas do exterior abarcadas pela MP serão apuradas anualmente para submissão às novas alíquotas regressivas. Uma mudança bastante relevante a chamar nossa atenção seria a tributação em bases anuais, sem antecipações intermediárias ao longo do ano, com recolhimento de imposto efetuado somente por ocasião do ajuste anual. Com isto, entendemos que passa a existir a possibilidade de compensação de perdas e ganhos de aplicações financeiras diversas, contanto que verificadas em um mesmo ano. Este seria um aspecto positivo da nova legislação. 

Trust 

Sabe-se que os trusts podem ser instituídos de formas diversas, incluindo diferentes objetivos, origens (se inter vivos ou causa mortis), poderes e deveres do trustee (administrador do trust) em relação à administração do patrimônio e à distribuições dos bens e direitos aos beneficiários, assim como a revogabilidade pelo settlor (instituidor do trust). 

Ao estabelecer que os bens e direitos serão “considerados como permanecendo sob titularidade do instituidor após a instituição do?trust”, somente “passando à titularidade do beneficiário no momento da distribuição pelo trust para o beneficiário ou do falecimento do instituidor, o que ocorrer primeiro”, a MP ignora estas diferenciações podendo trazer uma série de questionamentos.  

Nos trusts irrevogáveis, a titularidade dos bens e direitos é transferida de forma irrevogável no evento da constituição do trust. Não havendo mais a propriedade dos bens e direitos pelo settlor, a tributação dos rendimentos e ganhos de capital por este, enquanto não ocorrer o seu falecimento, ou os bens forem distribuídos pelo trust, acaba por estabelecer uma “ficção jurídica”. Sujeita a pessoa física instituidora do trust à tributação de um acréscimo patrimonial para ela inexistente. Isto porque decorrente de rendimentos e ganhos de capital que não mais pertencem ao settlor, nem são a ele disponibilizados. Neste sentido, em clara afronta ao artigo 43 do Código Tributário Nacional.  

A exposição de motivos da MP 1171 reconhece que não pretendeu traçar uma distinção entre os trusts revogáveis e irrevogáveis. O alegado motivo seria a simplificação das regras de tributação, bem como evitar abrir espaço para diferentes interpretações, ou para medidas de planejamento que busquem tratamentos tributários diferenciados. 

No entanto, a manutenção da previsão mencionada, sem levar em consideração as diferenciações inerentes às formas de constituição dos trusts, leva a inconstitucionalidades e à manutenção da insegurança jurídica que a norma deveria mitigar. 

Conclusões 

De acordo com a exposição de motivos da MP, as novas regras visam a tornar a tributação dos rendimentos da pessoa física mais uniforme e justa. Quanto aos trusts, menciona-se que a ause?ncia de regulamentac?a?o dos seus efeitos tributa?rios no Brasil e? fonte de inseguranc?a juri?dica.  

Ainda que tais assertivas mereçam ser endereçadas na legislação, a redação atual da MP deveria ser ajustada de modo a se verificar a concretização de tais objetivos. Seja pela redução da progressividade na tributação das aplicações financeiras, seja pela criação de ficções jurídicas na ausência de uma regulamentação apropriada dos trusts, a MP 1171 parece divergir exatamente de suas principais finalidades.  

ANA CAROLINA MONGUILOD – Diretora da ABDF. Co-chair WIN. Professora do Insper

BRUNA CAMARGO FERRARI – Diretora da ABDF. Doutoranda em Direito Tributário na USP. Mestre em Direito Tributário pela FGV Direito SP. Professora da pós-graduação lato sensu da FGV Direito SP. Sócia do Lobo de Rizzo advogados

Fonte: Jota


Galeria de Imagens
Outras Notícias
Denúncia espontânea não se aplica em caso de compensação, decide Carf
Carf afasta PIS sobre correção de provisão técnica de sociedade de capitalização
Portaria sobre compensação tributária deve gerar judicialização, dizem advogados
STF decide que crédito presumido de IPI a exportadoras não integra o PIS/Cofins
Receita Federal regulamenta a ''Autorregularização Incentivada de Tributos'' para contribuintes com débitos fiscais
Os detalhes da MP que limita compensação tributária e reonera a folha
Entra em vigor lei que altera regras de tributação de incentivos fiscais
Ministério da Fazenda anuncia medidas que asseguram a sustentabilidade fiscal
Lula sanciona com veto lei complementar que faz alterações na Lei Kandir
MP de reoneração da folha de salários prevê alíquota cheia a partir de 2028
Justiça Federal condena dois empresários do ramo frigorífico a penas de quatro anos por sonegação fiscal
Crédito presumido de IPI no PIS/Cofins: vence posição próxima à 'tese do século'
Após votação histórica, Congresso promulga a Reforma Tributária. Veja o que muda nos impostos
RFB regulamenta regularização de créditos tributários decorrentes de decisões em favor da Fazenda Nacional com base no voto de qualidade no CARF
Repetitivo vai decidir sobre legalidade da inclusão de PIS e Cofins na base de cálculo do ICMS
STJ decide que PLR de diretor não pode ser abatida do IRPJ e da CSLL
Fazenda ainda luta por manutenção de vetos à multa qualificada e garantias
Câmara aprova medida provisória da tributação dos incentivos fiscais
Novas restrições ao uso de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa na transação
Sancionada lei com nova tributação para fundos de investimentos e offshores
ICMS-ST também não compõe a base de cálculo de PIS e Cofins, decide STJ