STJ JULGARÁ EXCLUSÃO DO ICMS DO CÁLCULO DO IMPOSTO DE RENDA E CSLL

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) retoma, em março, um julgamento de impacto para o caixa das empresas que recolhem Imposto de Renda (IRPJ) e CSLL pelo regime do lucro presumido. Os ministros da 1ª Seção vão dizer se essas companhias podem excluir o ICMS da base de cálculo desses dois tributos federais. Trata-se de uma “tese filhote” da exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins – a chamada “tese do século”, discussão bilionária definida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no ano de 2017. Se os ministros do STJ seguirem a mesma linha adotada pelo STF, permitindo a exclusão do ICMS, as alíquotas de IRPJ e CSLL serão aplicadas sobre uma base menor e, consequentemente, as empresas pagarão menos tributos. Poderão, além disso, recuperar valores que foram pagos de forma indevida à União nos últimos cinco anos. 

O julgamento está previsto para ocorrer no dia 8 de março em caráter repetitivo. Significa que a decisão que for proferida pelos ministros da 1ª Seção deverá ser replicada a todos os processos que estão na primeira e segunda instância e também nas turmas de direito público do STJ. Entenda Estão no regime do lucro presumido as empresas com faturamento anual de até R$ 78 milhões. Nessa modalidade, a apuração do IRPJ e da CSLL é feita de forma simplificada. As companhias aplicam um percentual previsto em lei (que varia conforme os setores) sobre o faturamento bruto e o resultado serve de base para a incidência do IRPJ e da CSLL. A indústria, por exemplo, aplica o percentual de 8% para calcular o IRPJ. Se teve um faturamento de R$ 50 milhões com venda de mercadoria, os 8% incidem sobre esse total e o resultado – R$ 4 milhões – seria a base de cálculo do imposto. Sobre esses R$ 4 milhões, portanto, é que incide a alíquota do IRPJ. O que se discute, no STJ, é se os valores correspondentes ao ICMS que constam nas notas fiscais e são repassados pelas empresas aos governos estaduais podem ser considerados receita bruta e calculado a para fins de IRPJ e CSLL. “Supondo que 10% dos R$ 50 milhões do faturamento com venda de mercadoria são ICMS. A empresa vai tirar R$ 5 milhões da conta. Então, a empresa aplicaria os 8% não mais sobre os R$ 50 milhões, mas sim sobre R$ 45 milhões e, consequentemente, teria uma base menor para a incidência do imposto”, diz o tributarista Eduardo Suessmann, sócio do Suessmann Advogados, levando em conta o exemplo hipotético citado acima. Contribuintes em vantagem A 1ª Seção do STJ iniciou o julgamento desse tema em outubro do ano passado. 

A relatora, ministra Regina Helena Costa, foi a única que proferiu voto – a favor da exclusão do ICMS. Ela seguiu a mesma lógica dos ministros do STF no julgamento da “tese do século”. O ICMS apenas transita pela contabilidade da empresa. Ela recebe de quem comprou a mercadoria e repassa aos Estados. Se esses valores pertencem, então, a um terceiro – no caso, os Estados – não representam acréscimo patrimonial e, por esse motivo, não podem ser oferecidos à tributação. “Receita não pode ser uma coisa para um tema e ter outro conteúdo para outro tema”, afirmou na ocasião, destacando que o STF já decidiu o que é receita ao tratar sobre a base do PIS e da Cofins. “Não podemos criar outro conceito de receita.”

Fonte: Valor Econômico

Galeria de Imagens
Outras Notícias
Denúncia espontânea não se aplica em caso de compensação, decide Carf
Carf afasta PIS sobre correção de provisão técnica de sociedade de capitalização
Portaria sobre compensação tributária deve gerar judicialização, dizem advogados
STF decide que crédito presumido de IPI a exportadoras não integra o PIS/Cofins
Receita Federal regulamenta a ''Autorregularização Incentivada de Tributos'' para contribuintes com débitos fiscais
Os detalhes da MP que limita compensação tributária e reonera a folha
Entra em vigor lei que altera regras de tributação de incentivos fiscais
Ministério da Fazenda anuncia medidas que asseguram a sustentabilidade fiscal
Lula sanciona com veto lei complementar que faz alterações na Lei Kandir
MP de reoneração da folha de salários prevê alíquota cheia a partir de 2028
Justiça Federal condena dois empresários do ramo frigorífico a penas de quatro anos por sonegação fiscal
Crédito presumido de IPI no PIS/Cofins: vence posição próxima à 'tese do século'
Após votação histórica, Congresso promulga a Reforma Tributária. Veja o que muda nos impostos
RFB regulamenta regularização de créditos tributários decorrentes de decisões em favor da Fazenda Nacional com base no voto de qualidade no CARF
Repetitivo vai decidir sobre legalidade da inclusão de PIS e Cofins na base de cálculo do ICMS
STJ decide que PLR de diretor não pode ser abatida do IRPJ e da CSLL
Fazenda ainda luta por manutenção de vetos à multa qualificada e garantias
Câmara aprova medida provisória da tributação dos incentivos fiscais
Novas restrições ao uso de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa na transação
Sancionada lei com nova tributação para fundos de investimentos e offshores
ICMS-ST também não compõe a base de cálculo de PIS e Cofins, decide STJ