Carf: líder do governo no Congresso admite acordo para nova regra

Segundo Randolfe, a OAB já dialogou com o governo e há entendimento de que o limite é a proposta da Ordem, que prevê alívio de juros e multa para pagamentos em até 90 dias

O líder do governo no Congresso, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) admitiu que o Executivo aceita um acordo com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) alterando a medida provisória que muda a sistemática das decisões do Conselho de Administração de Recursos Fiscais (Carf), o tribunal administrativo da Receita Federal.]

Pelo acordo, costurado desde a semana passada, a União mantém a proposta que dá vitória para o Fisco em caso de empate nos julgamentos, mas prevê desconto de juros e multas quando o contribuinte pagar as causas decididas desta maneira em até 90 dias, sem recorrer ao Judiciário, como proposto pela OAB e empresários.

— A OAB já dialogou com o governo e há um entendimento que o limite é a proposta apresentada pela OAB — disse Randolfe após se reunir na noite de terça-feira com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e lideranças da base aliada ao governo Lula.

O senador disse que o sistema atual, com vitória pró-contribuinte, não pode continuar.

— O Carf por si só já é uma anomalia. Na OCDE não existe Carf. Tem uma mediação que é da relação das dívidas, da negociação tributária, das multas, e uma proposta que a OAB chegou a fazer que é razoável. O governo já aceitou essa proposta da OAB, já tem acordo e isso deverá ser construído no relatório.

Por meio do Carf, os contribuintes, sejam empresas ou pessoas físicas, podem recorrer de decisões de cobrança de impostos por parte do Fisco. As turmas de julgamento do tribunal administrativo têm formação paritária, ou seja, são compostas igualmente por representantes dos contribuintes e do governo.

No mês passado, o governo editou uma MP que restabeleceu uma regra que prevê a vitória do Fisco em caso de empate nos julgamentos. Chamada de voto de qualidade, essa norma vigorou até 2020. Naquele ano, o Congresso aprovou que, em caso de empate, a vitória passaria a ser do contribuinte.

Com essa mudança, anunciada no primeiro pacote de medidas de Fernando Haddad à frente da Fazenda, empresários e parlamentares mais liberais protestaram, argumentando que o desempate automático a favor da União poderia ser prejudicial. Assim, integrantes do governo e do Congresso passaram a enxergar um risco real de derrubada da MP entre deputados e senadores.

Fonte: O Globo

Galeria de Imagens
Outras Notícias
Denúncia espontânea não se aplica em caso de compensação, decide Carf
Carf afasta PIS sobre correção de provisão técnica de sociedade de capitalização
Portaria sobre compensação tributária deve gerar judicialização, dizem advogados
STF decide que crédito presumido de IPI a exportadoras não integra o PIS/Cofins
Receita Federal regulamenta a ''Autorregularização Incentivada de Tributos'' para contribuintes com débitos fiscais
Os detalhes da MP que limita compensação tributária e reonera a folha
Entra em vigor lei que altera regras de tributação de incentivos fiscais
Ministério da Fazenda anuncia medidas que asseguram a sustentabilidade fiscal
Lula sanciona com veto lei complementar que faz alterações na Lei Kandir
MP de reoneração da folha de salários prevê alíquota cheia a partir de 2028
Justiça Federal condena dois empresários do ramo frigorífico a penas de quatro anos por sonegação fiscal
Crédito presumido de IPI no PIS/Cofins: vence posição próxima à 'tese do século'
Após votação histórica, Congresso promulga a Reforma Tributária. Veja o que muda nos impostos
RFB regulamenta regularização de créditos tributários decorrentes de decisões em favor da Fazenda Nacional com base no voto de qualidade no CARF
Repetitivo vai decidir sobre legalidade da inclusão de PIS e Cofins na base de cálculo do ICMS
STJ decide que PLR de diretor não pode ser abatida do IRPJ e da CSLL
Fazenda ainda luta por manutenção de vetos à multa qualificada e garantias
Câmara aprova medida provisória da tributação dos incentivos fiscais
Novas restrições ao uso de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa na transação
Sancionada lei com nova tributação para fundos de investimentos e offshores
ICMS-ST também não compõe a base de cálculo de PIS e Cofins, decide STJ