Derrota do Contribuinte e do Brasil Competitivo: Supremo Limita a Imunidade de ICMS na Exportação

Vencidos os Ministros Marco Aurélio e Edson Fachin, o Supremo Tribunal Federal, em 05/08/2020, negou provimento ao Recurso Extraordinário nº. 754.917/RS, leading case do Tema de Repercussão Geral nº. 475, para limitar a imunidade tributária estabelecida no art. 155, § 2º, inciso X, alínea “a”, da Constituição Federal, que impede a incidência de ICMS nas operações de exportação de mercadorias.

Naquela oportunidade, o STF analisou a extensão da imunidade relativa ao ICMS sobre a comercialização de embalagens fabricadas para produtos destinados à exportação. Através do Recurso Extraordinário nº. 754.917/RS, o contribuinte recorrente, uma indústria que produz, a pedido de determinados exportadores, embalagens de calçados destinados ao exterior, defendeu a não incidência de ICMS sobre as suas operações, já que as mercadorias que fabrica não são destinadas ao mercado interno.

Analisando a pretensão expendida, a Corte negou provimento ao Recurso interposto, tendo fixado a seguinte tese em Repercussão Geral:

A imunidade a que se refere o art. 155, § 2º, X, ‘a’, da CF não alcança operações ou prestações anteriores à operação de exportação.

Uma grande derrota não apenas para o contribuinte, mas também para o Brasil competitivo. Explica-se.

Com o objetivo de incentivar as exportações e a competitividade da produção nacional, desonerando as mercadorias nacionais do seu ônus econômico e evitando a exportação de tributos, a Emenda Constitucional nº. 42, de 19 de dezembro de 2003, seguindo o caminho traçado pela Lei Complementar nº. 87/96, elevou ao grau de imunidade as desonerações de ICMS para todas as operações de exportação, mediante a alteração do art. 155, § 2º, inciso X, alínea “a”, da Constituição Federal, o qual assim passou a dispor:

Art. 155. Compete aos Estados e ao Distrito Federal instituir impostos sobre: […]

II – operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, ainda que as operações e as prestações se iniciem no exterior; […]

2º O imposto previsto no inciso II atenderá ao seguinte: […]

X – não incidirá:

a) sobre operações que destinem mercadorias para o exterior, nem sobre serviços prestados a destinatários no exterior, assegurada a manutenção e o aproveitamento do montante do imposto cobrado nas operações e prestações anteriores;

Percebe-se que o comando constitucional assegura a não incidência do ICMS sobre as operações que destinam mercadorias para o exterior, sendo este justamente o critério material da norma imunizante.

Evidente que a previsão constitucional de tal imunidade detém eficácia plena e aplicabilidade imediata, sendo insuscetível a eventuais limitações ulteriores. E, como a própria Constituição não estabeleceu restrições e condicionantes para a concessão desta desoneração, não é permitido à Administração – ou ao Poder Judiciário – desenvolvê-las, não reconhecendo o legítimo direito do contribuinte.

Inegavelmente, se existe uma imunidade, não há sequer aptidão ou autorização constitucional para o Estado exercer o poder de tributar as operações que destinam mercadorias para o exterior, mesmo que por vias transversas: falta-lhe competência tributária. Qualquer entendimento em sentido contrário é aviltar a política aduaneira nacional.

Com a decisão proferida, buscou o STF limitar a imunidade constitucionalmente prevista, na medida em que permitiu a cobrança de ICMS em face de operações anteriores à exportação propriamente dita, muito embora o destino final das mercadorias seja o mesmo: o mercado externo.

Havendo destino final o exterior, é direito do contribuinte não pagar ICMS sobre as operações decorrentes da circulação de mercadoria. Deste modo, como bem pontuado pelo recorrente nos autos do Recurso Extraordinário nº. 754.917/RS, a pretensão do contribuinte que produz e comercializa embalagens é a mesma daquele que fabrica o produto embalado, que nada mais é do que destinar mercadorias ao exterior, circunstância que atrai a imunidade do ICMS.

Sem dúvida, a imunidade do ICMS para as operações de exportação abrange todas as modalidades de remessas de mercadorias ao exterior. Em verdade, apenas faz-se necessária a saída de mercadorias ao exterior para possibilitar a incidência da imunidade tributária, o que demonstra, com a ressalva do devido respeito, o desacerto da decisão proferida pelo Supremo.

É importante observar que não apenas o contribuinte foi derrotado nos autos do Recurso Extraordinário nº. 754.917/RS. Diante da repercussão econômica do ICMS cobrado sobre as embalagens de mercadorias exportadas, os produtos brasileiros serão mais caros e perderão competitividade no cenário internacional.

Com a decisão proferida, então, o Brasil competitivo também saiu derrotado. 

Por Leonardo Barbosa Romeo

Tributario.com.br

Galeria de Imagens
Outras Notícias
Opinião: Lei Complementar nº 194/2022 e a redução das contas de energia elétrica
STJ afasta multa de 100% por sonegação fiscal em importação
PGFN permite uso de prejuízo fiscal sobre valor principal de dívida
Contribuinte pode requerer compensação do crédito presumido de IPI com qualquer tributo federal
STJ nega penhora on-line antes de citação
PGFN dificulta uso de prejuízo fiscal em acordos
CARF e CSRF aceitam planejamento fiscal de franquias
Decreto altera regulamentação do IOF nas operações de câmbio relativas à transferência para o exterior
Tributação das parcerias na advocacia
A redenção dos Juros sobre o Capital Próprio
STJ confirma apreensão de passaporte de devedor de alimentos que viajava de primeira classe ao exterior
Solução de consulta da Receita dispõe sobre a aplicação do RET-Incorporação às receitas decorrentes das vendas de unidades imobiliárias
Código de defesa do pagador de impostos entre Holmes e Marshall
Nova Norma do IPI põe Fim a Discussões sobre Planejamento Fiscal dos Industriais
PIS – Créditos – Despesas com fretes
Receita deve apontar crime para pedir investigação do Ministério Público
Mantida condenação de administrador de frigorífico que sonegou mais de R$ 5,9 milhões em impostos
CSRF: Embalagens secundárias não se enquadram como insumos para direito ao crédito de PIS e COFINS
Empresário precisa de autorização do cônjuge para ser fiador da empresa
Finalidade societária como propósito negocial
Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse)