União vence no STJ disputa de R$ 155 bi sobre créditos de Cofins

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) colocou fim em uma discussão tributária que poderia custar R$ 155 bilhões para a União. Os ministros da 1ª Seção decidiram, em caráter repetitivo, que empresas tributadas pelo regime monofásico não têm direito a créditos de PIS e Cofins.

Essa decisão deverá ser replicada pelas instâncias inferiores nos julgamentos de processos que tratam do mesmo tema. Existem, segundo a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), pelo menos 1,6 mil ações no país. Estavam com a tramitação suspensa por conta do repetitivo e agora, com o julgamento, serão liberadas.

Os setores farmacêutico, automotivo e de combustíveis estão entre os que recolhem as contribuições sociais pelo regime monofásico. Nesse modelo de tributação, a cobrança de PIS e Cofins é concentrada no primeiro elo da cadeia: o fabricante ou o importador.

O julgamento da 1ª Seção tem efeito para as empresas que adquirem os produtos. Aquelas que compram do fabricante ou do importador para a revenda, disseram os ministros, não podem usar os valores referentes ao PIS e à Cofins que foram repassados no preço da mercadoria como um crédito fiscal.

Oficialmente, as alíquotas das contribuições sociais, nessa etapa, estão zeradas. As empresas que compram a mercadoria não recolhem PIS e Cofins.

O tema foi analisado, por meio de dois recursos repetitivos (REsp 1894741 e REsp 1895255). O placar fechou em seis votos a um. Somente a ministra Regina Helena Costa se posicionou a favor do direito aos créditos.

Esse resultado não chega a ser surpresa para advogados de contribuintes. Em abril do ano passado, ao julgar pela primeira vez o tema, a 1ª Seção já havia se posicionado contra o creditamento — também por ampla maioria de votos.

Os profissionais, além disso, reconhecem que será muito difícil emplacar essa tese no Supremo Tribunal Federal (STF). Existem decisões de ministros considerando a questão como infraconstitucional. E, nesse caso, a palavra final fica com o STJ.

Mas entendem o resultado como injusto. Afirmam que apesar de distribuidores e varejistas não recolherem o imposto diretamente ao governo federal, eles também arcam com os pagamentos.

As alíquotas, no regime monofásico, são geralmente mais altas e os valores são repassados — embutidos nos preços dos produtos — pela indústria ou importador para o restante da cadeia.

Um dos principais argumentos, em relação à tese, era o de que a Lei nº 11.033, de 2004, legitimou o uso de créditos. No artigo 17 da norma consta que as vendas efetuadas com a suspensão, isenção, alíquota zero ou não incidência de PIS e Cofins não impedem a manutenção, pelo vendedor, dos créditos vinculados a essas operações.

Para a maioria dos ministros, porém, a Lei nº 11.033 não modificou o que consta nas leis nº 10.637, de 2002, e nº 10.833, de 2003, que tratam do PIS e da Cofins e vedam o uso de créditos na revenda de bens sujeitos ao regime monofásico.

Esse julgamento teve início no mês de fevereiro. Na ocasião, o relator, ministro Mauro Campbell Marques, proferiu voto contra o pleito dos contribuintes e foi acompanhado pelo ministro Gurgel de Faria. A ministra Regina Helena Costa também se posicionou naquele dia, divergindo.

As discussões foram suspensas por um pedido de vista do ministro Benedito Gonçalves, que devolveu o caso na sessão de ontem. Ele acompanhou o entendimento do relator, contra o direito aos créditos. Afirmou que permitir equivaleria a conceder um benefício fiscal que não está previsto em lei.

Votaram nesse mesmo sentido os ministros Assusete Magalhães, Manoel Erhardt e Herman Benjamin. Os ministros Og Fernandes e Francisco Falcão não votaram porque estavam ausentes.

O impacto de R$ 155 bilhões, com uma decisão contrária dos ministros, foi calculado pela Receita Federal para o período de 2017 a 2021 — seriam os cinco anos que, pela lei, o contribuinte poderia pleitear a restituição.

A média anual de perdas ficaria em R$ 31 bilhões, em valores corrigidos por estimativa da média das taxas Selic acumuladas incidentes nesses períodos de apuração.

Amanda Geracy, procuradora da PGFN, trata a vitória como uma das mais expressivas da Fazenda Nacional no STJ. “O acolhimento da tese dos particulares poderia transformar a técnica da não cumulatividade do PIS e da Cofins em benefício tributário desprovido de qualquer contrapartida social”, afirma.

Ela diz que a tese interessava a setores responsáveis por boa parte da arrecadação federal. Com a decisão, frisa a procuradora, tem fim uma controvérsia que se arrastava desde março de 2017, quando a 1ª Turma do STJ decidiu de forma divergente da 2ª Turma, permitindo o creditamento a uma grande empresa do setor farmacêutico.

A procuradora chama a atenção, no entanto, que os ministros decidiram pela plena compatibilidade entre a incidência monofásica e a técnica do creditamento. “Haja vista a possibilidade de essas mesmas sociedades comercializarem simultaneamente produtos submetidos à cadeia plurifásica das contribuições ou tomem crédito em outras hipóteses admitidas por lei.”

Por Joice Bacelo

Fonte: Valor Econômico 

Galeria de Imagens
Outras Notícias
Denúncia espontânea não se aplica em caso de compensação, decide Carf
Carf afasta PIS sobre correção de provisão técnica de sociedade de capitalização
Portaria sobre compensação tributária deve gerar judicialização, dizem advogados
STF decide que crédito presumido de IPI a exportadoras não integra o PIS/Cofins
Receita Federal regulamenta a ''Autorregularização Incentivada de Tributos'' para contribuintes com débitos fiscais
Os detalhes da MP que limita compensação tributária e reonera a folha
Entra em vigor lei que altera regras de tributação de incentivos fiscais
Ministério da Fazenda anuncia medidas que asseguram a sustentabilidade fiscal
Lula sanciona com veto lei complementar que faz alterações na Lei Kandir
MP de reoneração da folha de salários prevê alíquota cheia a partir de 2028
Justiça Federal condena dois empresários do ramo frigorífico a penas de quatro anos por sonegação fiscal
Crédito presumido de IPI no PIS/Cofins: vence posição próxima à 'tese do século'
Após votação histórica, Congresso promulga a Reforma Tributária. Veja o que muda nos impostos
RFB regulamenta regularização de créditos tributários decorrentes de decisões em favor da Fazenda Nacional com base no voto de qualidade no CARF
Repetitivo vai decidir sobre legalidade da inclusão de PIS e Cofins na base de cálculo do ICMS
STJ decide que PLR de diretor não pode ser abatida do IRPJ e da CSLL
Fazenda ainda luta por manutenção de vetos à multa qualificada e garantias
Câmara aprova medida provisória da tributação dos incentivos fiscais
Novas restrições ao uso de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa na transação
Sancionada lei com nova tributação para fundos de investimentos e offshores
ICMS-ST também não compõe a base de cálculo de PIS e Cofins, decide STJ