MPF defende possibilidade de alíquota diferenciada de IRPF para proventos de residentes no exterior

PGR aponta que há regimes tributários distintos entre residente e não residente no Brasil, sendo indevida extensão de regras de um para o outro

É constitucional a previsão de retenção do imposto de renda à alíquota de 25% sobre proventos de aposentadoria e pensão, tendo em conta o contexto diferenciado do contribuinte de residência fiscal no exterior. Essa é a proposta de tese sugerida pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, por meio de manifestação, enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF), pelo provimento do Recurso Extraordinário (RE) 1.327.491/SC, representativo do Tema 1.172 da sistemática da repercussão geral. O debate trata da constitucionalidade da norma legal que prevê a incidência do imposto retido na fonte sobre rendimentos de aposentadoria e pensão pagos por fonte localizada em território nacional a pessoas físicas residentes fora do Brasil.

Augusto Aras aponta que a Constituição determina a competência para a instituição do imposto de renda e estabelece os critérios a serem observados. No âmbito da legislação infraconstitucional, o Código Tributário Nacional (CTN) estabelece as normas gerais e define os modelos para fato gerador, a base de cálculo e os contribuintes, não cabendo ao legislador ordinário extrapolar os conceitos postos nesse conjunto de normas.

Para o PGR, a incidência do imposto de renda se conduz, conjuntamente, por elementos de conexão subjetivos e objetivos. Nos subjetivos são apontados critérios que vinculam o contribuinte ao ordenamento a que pertence a norma tributária. Entre eles, está o critério da residência, utilizado pelo ordenamento jurídico brasileiro para tributar a renda. “Tem-se, então, que, enquanto o contribuinte possuir residência em território nacional estará submetido à tributação pelo imposto de renda, independentemente da origem da renda”, observa.

Por outro lado, os elementos objetivos definem o fato tributável, independentemente da localização do contribuinte. Dessa forma, explica o procurador-geral, ao se empregar o critério da fonte como elemento de conexão, tem-se a sujeição passiva do contribuinte ao imposto de renda quando o rendimento for pago por fonte situada dentro do território nacional, mesmo que este não resida no Brasil.

No parecer, Augusto Aras defende a compatibilidade da adoção de ambos os critérios de conexão pelo ordenamento jurídico, sendo possível tributar todos os residentes, independentemente da localização da fonte e, simultaneamente, alcançar todo o rendimento de fonte local, qualquer que seja o beneficiário. Segundo o PGR, o legislador instituiu regime tributário específico para englobar os não residentes, com regras específicas e distintas daquelas aplicadas aos residentes, por não estarem na mesma situação fiscal. “O tratamento diferenciado evidencia que o legislador nacional buscou estabelecer parâmetros específicos para aqueles que aqui residem, gerenciam sua vida e colaboram com a economia nacional”, pontua.

Por fim, Aras aponta que há dois regimes tributários distintos para residentes e não residentes, sendo indevida a extensão de regras de um para o outro. Alerta que a extensão, por critério de isonomia, fará com que o Judiciário atue como legislador positivo. Augusto Aras salienta, ainda, que a Suprema Corte tem entendimento pacificado de que é inviável ao Poder Judiciário estabelecer isenções tributárias, redução de impostos ou alterar limites de deduções para alcançar contribuinte não contemplado na legislação aplicável.

Fonte: Ministério Público Federal (MPF)

Galeria de Imagens
Outras Notícias
Empresa tem direito à devolução remunerada dos investimentos que efetuou em sociedade
É válida a recusa da União em receber debêntures como garantia em execução fiscal em razão da baixa liquidez e da difícil alienação
STF confirma prazo de 90 dias para entrada em vigor da MP sobre compensação fiscal para consumidor final de combustíveis
Pedido de compensação não interrompe o prazo prescricional para a repetição de indébito
STJ decide que Seguro-garantia com prazo insuficiente não serve para garantir execução fiscal
Bloqueio via Bacenjud não abrange parcelamento anterior do débito fiscal
Imóvel de empresa usado como moradia de sócio e dado em caução de locação comercial é impenhorável
Clínica de anestesiologia não é serviço hospitalar e não cabe benefício fiscal
A nova interpretação da imunidade do ITBI na integralização do capital social
Prazo máximo de renovação compulsória de aluguel comercial é de cinco anos
Existindo acordo para evitar a bitributação, lucros auferidos por controlada no exterior não podem ser tributados no Brasil
SC Disit/SRRF06 nº 6012 – PIS/COFINS – Administradora de Grupos de Consórcio – Vale transporte
SC Disit/SRRF06 nº 6009 – Lucro Presumido – Atividade Imobiliária – Ganho de capital
Decreto exclui do imposto de importação o valor da capatazia realizada em território nacional
STJ segue STF e aplica Convenção de Montreal em indenização por extravio de carga em voo internacional
Cuidados necessários para brasileiros que declaram IR no Brasil e nos EUA
STF afasta incidência do IR sobre pensões alimentícias decorrentes do direito de família
Fundos imobiliários vencem disputa com a Receita na Câmara Superior do Carf
STJ: Para Ministro, condição de procurador de empresa não basta para condenação por crime tributário
Em casos de partilha consensual com divisão desigual de bens, não há incidência de ITBI
CSRF analisa se é possível pedir restituição de indébito pago por compensação