MPF defende possibilidade de alíquota diferenciada de IRPF para proventos de residentes no exterior

PGR aponta que há regimes tributários distintos entre residente e não residente no Brasil, sendo indevida extensão de regras de um para o outro

É constitucional a previsão de retenção do imposto de renda à alíquota de 25% sobre proventos de aposentadoria e pensão, tendo em conta o contexto diferenciado do contribuinte de residência fiscal no exterior. Essa é a proposta de tese sugerida pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, por meio de manifestação, enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF), pelo provimento do Recurso Extraordinário (RE) 1.327.491/SC, representativo do Tema 1.172 da sistemática da repercussão geral. O debate trata da constitucionalidade da norma legal que prevê a incidência do imposto retido na fonte sobre rendimentos de aposentadoria e pensão pagos por fonte localizada em território nacional a pessoas físicas residentes fora do Brasil.

Augusto Aras aponta que a Constituição determina a competência para a instituição do imposto de renda e estabelece os critérios a serem observados. No âmbito da legislação infraconstitucional, o Código Tributário Nacional (CTN) estabelece as normas gerais e define os modelos para fato gerador, a base de cálculo e os contribuintes, não cabendo ao legislador ordinário extrapolar os conceitos postos nesse conjunto de normas.

Para o PGR, a incidência do imposto de renda se conduz, conjuntamente, por elementos de conexão subjetivos e objetivos. Nos subjetivos são apontados critérios que vinculam o contribuinte ao ordenamento a que pertence a norma tributária. Entre eles, está o critério da residência, utilizado pelo ordenamento jurídico brasileiro para tributar a renda. “Tem-se, então, que, enquanto o contribuinte possuir residência em território nacional estará submetido à tributação pelo imposto de renda, independentemente da origem da renda”, observa.

Por outro lado, os elementos objetivos definem o fato tributável, independentemente da localização do contribuinte. Dessa forma, explica o procurador-geral, ao se empregar o critério da fonte como elemento de conexão, tem-se a sujeição passiva do contribuinte ao imposto de renda quando o rendimento for pago por fonte situada dentro do território nacional, mesmo que este não resida no Brasil.

No parecer, Augusto Aras defende a compatibilidade da adoção de ambos os critérios de conexão pelo ordenamento jurídico, sendo possível tributar todos os residentes, independentemente da localização da fonte e, simultaneamente, alcançar todo o rendimento de fonte local, qualquer que seja o beneficiário. Segundo o PGR, o legislador instituiu regime tributário específico para englobar os não residentes, com regras específicas e distintas daquelas aplicadas aos residentes, por não estarem na mesma situação fiscal. “O tratamento diferenciado evidencia que o legislador nacional buscou estabelecer parâmetros específicos para aqueles que aqui residem, gerenciam sua vida e colaboram com a economia nacional”, pontua.

Por fim, Aras aponta que há dois regimes tributários distintos para residentes e não residentes, sendo indevida a extensão de regras de um para o outro. Alerta que a extensão, por critério de isonomia, fará com que o Judiciário atue como legislador positivo. Augusto Aras salienta, ainda, que a Suprema Corte tem entendimento pacificado de que é inviável ao Poder Judiciário estabelecer isenções tributárias, redução de impostos ou alterar limites de deduções para alcançar contribuinte não contemplado na legislação aplicável.

Fonte: Ministério Público Federal (MPF)

Galeria de Imagens
Outras Notícias
Denúncia espontânea não se aplica em caso de compensação, decide Carf
Carf afasta PIS sobre correção de provisão técnica de sociedade de capitalização
Portaria sobre compensação tributária deve gerar judicialização, dizem advogados
STF decide que crédito presumido de IPI a exportadoras não integra o PIS/Cofins
Receita Federal regulamenta a ''Autorregularização Incentivada de Tributos'' para contribuintes com débitos fiscais
Os detalhes da MP que limita compensação tributária e reonera a folha
Entra em vigor lei que altera regras de tributação de incentivos fiscais
Ministério da Fazenda anuncia medidas que asseguram a sustentabilidade fiscal
Lula sanciona com veto lei complementar que faz alterações na Lei Kandir
MP de reoneração da folha de salários prevê alíquota cheia a partir de 2028
Justiça Federal condena dois empresários do ramo frigorífico a penas de quatro anos por sonegação fiscal
Crédito presumido de IPI no PIS/Cofins: vence posição próxima à 'tese do século'
Após votação histórica, Congresso promulga a Reforma Tributária. Veja o que muda nos impostos
RFB regulamenta regularização de créditos tributários decorrentes de decisões em favor da Fazenda Nacional com base no voto de qualidade no CARF
Repetitivo vai decidir sobre legalidade da inclusão de PIS e Cofins na base de cálculo do ICMS
STJ decide que PLR de diretor não pode ser abatida do IRPJ e da CSLL
Fazenda ainda luta por manutenção de vetos à multa qualificada e garantias
Câmara aprova medida provisória da tributação dos incentivos fiscais
Novas restrições ao uso de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa na transação
Sancionada lei com nova tributação para fundos de investimentos e offshores
ICMS-ST também não compõe a base de cálculo de PIS e Cofins, decide STJ