A equiparação do empreendedor ao incorporador

O mercado imobiliário historicamente tem seu desempenho atrelado à conjuntura econômica do país – tanto por demandar investimentos significativos, como por ter sua performance diretamente vinculada à taxa de juros, viabilidade de acesso a crédito seguro e consistente e outorga de incentivos governamentais. Nesse contexto, as normas jurídicas são determinantes para criação de ambiente favorável ao desenvolvimento e consolidação do setor.

O regramento aplicável ao mercado foi se aprimorando para fazer frente a operações cada vez mais complexas. Esse aperfeiçoamento foi significativo no tratamento dispensado ao parcelamento do solo: do entendimento inicial de que a existência de áreas públicas no loteamento garantiria amplo e livre acesso a qualquer pessoa, com a edição da Lei nº 13.465/17 passou-se a admitir não apenas o controle do acesso nos loteamentos (loteamento de acesso controlado) como a própria criação do condomínio de lotes – pacificando a histórica discussão que contrapunha o direito à liberdade de acessar áreas públicas (existentes dentro dos loteamentos) com o direito à propriedade (que permitiria a restrição de acesso de terceiros não autorizados às áreas privadas).

A segurança na adoção do RET-Incorporação pelos condomínios de lotes representa conquista significativa

 A normatização do condomínio de lotes foi importante devido aos diferentes posicionamentos que ora equiparavam o instituto ao loteamento (incidindo obrigações específicas ao empreendedor), ora o consideravam como instrumento jurídico autônomo com regramento similar ao das incorporações imobiliárias.

Essa dicotomia foi enfrentada pela Receita Federal na Solução de Consulta Cosit nº 196/2015, em que o Fisco entendeu que o regime das incorporações (Lei nº 4.591/1964) seria exclusivo para empreendimentos em que exista a “construção de edificação ou conjunto de edificações compostas de unidades autônomas e o incorporador como sendo aquele que compromisse ou efetive a venda de frações ideais de terreno, objetivando sua vinculação àquelas unidades autônomas nas edificações a serem construídas ou em construção sob regime de condomínio”.

A incorporação visaria a construção de edificações compostas de unidades autônomas, enquanto nos condomínios de lotes não haveria uma unidade autônoma a ser alienada, senão uma mera divisão de terra em unidades independentes, típica de parcelamento de solo.

Assim, não haveria a possibilidade de constituição do patrimônio de afetação e tampouco a possibilidade de adesão ao Regime Especial de Tributação (RET), previsto na Lei nº 10.931/2004 e regulamentado pela Instrução Normativa RFB nº 1.435/2014, que seria exclusivo para as incorporações propriamente ditas.

Ocorre que a realidade econômica invariavelmente encontra caminhos para adaptar-se à legislação. Assim, buscando viabilizar a adoção do RET e afastar-se do regramento dos loteamentos, diversos empreendimentos estruturavam-se como condomínios horizontais de unidades projetadas, sob o regime de incorporação. Tratando-se de edificações autônomas apenas projetadas, mas não construídas, bastava que o adquirente solicitasse ao poder público a alteração do projeto inicial, acabando por caracterizar, na prática, um condomínio de lotes, com as edificações sendo de responsabilidade de cada condômino.

Ocorre que, com a extensão do regime jurídico dos condomínios edilícios aos condomínios de lotes admitida pela Lei nº 13.465/2017, parte substancial da doutrina passou a defender a possibilidade de adesão ao RET-Incorporação para os condomínio de lotes, inobstante a Receita Federal não ter revogado sua decisão anterior. Essa interpretação passou a ser defendida por muitos empreendedores perante o Fisco para pleitear a benesse tributária, na maior parte dos casos com sucesso.

Para eliminar qualquer resquício de dúvida acerca do tratamento tributário dado a esses empreendimentos, em 27 de dezembro de 2021 houve mais um salutar avanço, com a edição da Medida Provisória nº 1.085. Essa norma, dentre outros temas, consolidou significativas alterações ao regime jurídico do condomínio de lotes, estendendo de forma expressa a aplicação do regime jurídico das incorporações, equiparando, por fim, o empreendedor ao incorporador.

Ainda que, à primeira vista, o âmbito dessa equiparação seja restrito a aspectos civis e registrários, as modificações implementadas na Lei nº 4.591/64 – que, ao prever as obrigações e direitos do incorporador, passou a dispor que frações ideais de terrenos e acessões configuram “unidades autônomas” (artigo 32) – corroboram a interpretação pela aplicação do regime jurídico das incorporações imobiliárias ao condomínio de lotes, incluindo todas as obrigações e direitos a ele vinculadas. O benefício primário dessa equiparação, sem dúvidas, é a viabilização da adesão ao RET-Incorporação por tais empreendimentos.

A segurança na adoção do RET-Incorporação pelos condomínios de lotes – com tributação federal simplificada e incentivada em alíquota única de 4% – representa conquista significativa. Além de corrigir o tratamento desigual concedido a empreendedores em situações idênticas, a redução da carga tributária contribui não apenas para o aumento da oferta de imóveis residenciais, mas para o próprio progresso econômico, considerando a extensão da cadeia produtiva da construção civil, figurando como importante fator de desenvolvimento social.

Por Cecília Natucci e Marcelo Diniz Barbosa 

 Fonte: Valor Econômico


Galeria de Imagens
Outras Notícias
Denúncia espontânea não se aplica em caso de compensação, decide Carf
Carf afasta PIS sobre correção de provisão técnica de sociedade de capitalização
Portaria sobre compensação tributária deve gerar judicialização, dizem advogados
STF decide que crédito presumido de IPI a exportadoras não integra o PIS/Cofins
Receita Federal regulamenta a ''Autorregularização Incentivada de Tributos'' para contribuintes com débitos fiscais
Os detalhes da MP que limita compensação tributária e reonera a folha
Entra em vigor lei que altera regras de tributação de incentivos fiscais
Ministério da Fazenda anuncia medidas que asseguram a sustentabilidade fiscal
Lula sanciona com veto lei complementar que faz alterações na Lei Kandir
MP de reoneração da folha de salários prevê alíquota cheia a partir de 2028
Justiça Federal condena dois empresários do ramo frigorífico a penas de quatro anos por sonegação fiscal
Crédito presumido de IPI no PIS/Cofins: vence posição próxima à 'tese do século'
Após votação histórica, Congresso promulga a Reforma Tributária. Veja o que muda nos impostos
RFB regulamenta regularização de créditos tributários decorrentes de decisões em favor da Fazenda Nacional com base no voto de qualidade no CARF
Repetitivo vai decidir sobre legalidade da inclusão de PIS e Cofins na base de cálculo do ICMS
STJ decide que PLR de diretor não pode ser abatida do IRPJ e da CSLL
Fazenda ainda luta por manutenção de vetos à multa qualificada e garantias
Câmara aprova medida provisória da tributação dos incentivos fiscais
Novas restrições ao uso de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa na transação
Sancionada lei com nova tributação para fundos de investimentos e offshores
ICMS-ST também não compõe a base de cálculo de PIS e Cofins, decide STJ