Indevida a cobrança de IPI de empresa atacadista na etapa de comercialização de produtos de higiene pessoal

A 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF) reconheceu indevida a cobrança do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) por atacadista, na etapa de comercialização de produtos de higiene, perfumaria e cosméticos, adquiridos de empresas interdependentes (empresas do mesmo grupo) e revendidos sem qualquer tipo de industrialização. A decisão deu-se no julgamento da apelação da Fazenda Nacional contra a sentença que suspendeu o IPI na comercialização, na hipótese do Decreto 8.393/2015.

Ao analisar o caso, a relatora, desembargadora federal Gilda Sigmaringa Seixas, afirmou que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) firmou o entendimento de que o fato gerador do IPI é a operação de industrialização do produto.

Não obstante, sustentou a magistrada, até para delimitar o campo de incidência do IPI e do ICMS, tem-se que (EREsp 1.411.749/PR) que o IPI “não incide sobre o acréscimo embutido em cada um dos estágios da circulação de produtos industrializados. Recai apenas sobre o montante que, na operação tributada, tenha resultado da industrialização, assim considerada qualquer operação que importe na alteração da natureza, funcionamento, utilização, acabamento ou apresentação do produto, ressalvadas as exceções legais.

A magistrada concluiu destacando que o STJ não admite o duplo recolhimento do tributo nos estabelecimentos industrial e atacadista interdependentes (na industrialização e na circulação), com o seguinte entendimento: Não pode o fisco, a pretexto de coibir virtuais mecanismos de evasão fiscal, manipular a seu bel-prazer as práticas comerciais, criando obrigação não prevista em lei e onerando a produção com o encargo adicional de IPI sobre o valor agregado na fase de circulação comercial do produto.”

Processo 0015518-16.2015.4.01.3500

Fonte: TRF1

Galeria de Imagens
Outras Notícias
STF invalida norma de SC que autorizava compensação de títulos de empresa pública com débitos de ICMS
SC Disit/SRRF06 nº 6005 – COFINS – Isenção – Associação sem fins lucrativos – Aluguel de imóvel próprio.
A submissão de SPE imobiliária à recuperação judicial
SC Disit/SRRF06 nº 6008 – IRPF – Alienação de criptomoedas – Operações de pequeno valor
SC Disit/SRRF06 nº 6007 – IRRF – Remessas destinadas ao exterior – Serviços de treinamento
Carf: confraternização de empresa não é dedutível do IRPJ e CSLL
Decisões judiciais afastam limites à dedução de despesas do PAT
É isento o ganho de capital na alienação de criptomoedas até R$35.000,00
SC nº 10001 – IRPF – Concessão de direito de superfície – Rendimento – Tributação
Governo edita MP e esclarece que isenção de PIS/Cofins sobre diesel não gera crédito tributário
STJ decide que contribuição previdenciária não incide sobre salário-maternidade
STF: há repercussão geral em recurso que discute ITCMD sobre PGBL e VGBL
Simulação do negócio jurídico: a evolução do tema na jurisprudência do STJ
A atividade imobiliária e os efeitos dos ganhos de AVJ
A discussão bilionária sobre o crédito de ICMS entre matriz e filiais
Impenhorabilidade de bem de família tem de ser alegada antes da assinatura da carta de arrematação
Sócio de empresa condenada não tem de fazer prova negativa de propriedade de outros imóveis
A Distribuição de Dividendos em Montante Superior ao Lucro Presumido - Formalidades e os riscos intercorrentes de sua inobservância
Min Roberto Barroso vota pela relativização da coisa julgada em processo com repercussão geral
A Cide sobre remessas ao exterior deve ser declarada inconstitucional
Offshore, trust e fundos exclusivos: valem a pena?