Operação Masqué III: Justiça determina prisão preventiva dos empresários envolvidos em esquema de lavagem de dinheiro

O Tribunal Regional Federal da 2ª Região acatou Recurso Criminal em Sentido Estrito interposto pelo Ministério Público Federal do Espírito Santo, decretando a imediata prisão preventiva dos empresários investigados da Operação Masqué, deflagrada inicialmente em agosto de 2019, como fruto de trabalho de auditores fiscais e analistas tributários da Receita Federal (RFB).

Relembre

A Operação Masqué teve origem em trabalho conjunto entre a Delegacia e a Alfândega da RFB em Vitória/ES, a Coordenação-Geral de Pesquisa e Investigação (Nupei Vitória/ES), a Polícia Federal e o Ministério Público Federal, e teve como objetivo acabar com um esquema de lavagem de dinheiro criado por causa de envio irregular de divisas ao exterior por meio de falsificação de documentos aduaneiros.

Ao todo, os integrantes do grupo enviaram irregularmente, ao exterior, mais de 100 milhões de dólares por meio de 1.178 contratos de câmbio, tendo sido autuados por auditores-fiscais da Receita Federal da DRF/Vitória em quase 1 bilhão de reais (valor atualizado, aproximado, inscrito em Dívida Ativa). Carros, embarcações e quase uma centena de imóveis pertencentes ao grupo foram sequestrados judicialmente por ocasião das Operações Masqué I e Masqué II.

Prisões

Os mandados de prisão preventiva dos dois empresários envolvidos no esquema foram cumpridos no dia 13 de janeiro de 2022, momento em que apenas um deles foi localizado e preso. O outro empresário, supostamente o principal mentor do esquema, foi localizado e preso somente no dia 15 de janeiro de 2022 no município de Aracruz/ES, após ter sido considerado foragido e ter seu nome incluído na lista de procurados da Interpol. Ambos os empresários foram encaminhados ao complexo penitenciário de Viana/ES para cumprimento da prisão preventiva.

Resultado

A investigação conjunta na Operação Masqué, para além da responsabilização penal e tributária dos infratores, permitiu o resgate de dezenas de bens móveis e imóveis supostamente adquiridos com dinheiro ilícito fruto do esquema que, ocorrendo o trânsito em julgado do processo judicial, poderão ser destinados para o pagamento de parte dos débitos inscritos em Dívida Ativa em nome dos integrantes do grupo.

Fonte: RFB

Galeria de Imagens
Outras Notícias
Denúncia espontânea não se aplica em caso de compensação, decide Carf
Carf afasta PIS sobre correção de provisão técnica de sociedade de capitalização
Portaria sobre compensação tributária deve gerar judicialização, dizem advogados
STF decide que crédito presumido de IPI a exportadoras não integra o PIS/Cofins
Receita Federal regulamenta a ''Autorregularização Incentivada de Tributos'' para contribuintes com débitos fiscais
Os detalhes da MP que limita compensação tributária e reonera a folha
Entra em vigor lei que altera regras de tributação de incentivos fiscais
Ministério da Fazenda anuncia medidas que asseguram a sustentabilidade fiscal
Lula sanciona com veto lei complementar que faz alterações na Lei Kandir
MP de reoneração da folha de salários prevê alíquota cheia a partir de 2028
Justiça Federal condena dois empresários do ramo frigorífico a penas de quatro anos por sonegação fiscal
Crédito presumido de IPI no PIS/Cofins: vence posição próxima à 'tese do século'
Após votação histórica, Congresso promulga a Reforma Tributária. Veja o que muda nos impostos
RFB regulamenta regularização de créditos tributários decorrentes de decisões em favor da Fazenda Nacional com base no voto de qualidade no CARF
Repetitivo vai decidir sobre legalidade da inclusão de PIS e Cofins na base de cálculo do ICMS
STJ decide que PLR de diretor não pode ser abatida do IRPJ e da CSLL
Fazenda ainda luta por manutenção de vetos à multa qualificada e garantias
Câmara aprova medida provisória da tributação dos incentivos fiscais
Novas restrições ao uso de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa na transação
Sancionada lei com nova tributação para fundos de investimentos e offshores
ICMS-ST também não compõe a base de cálculo de PIS e Cofins, decide STJ