Carf: não incide PIS e Cofins sobre crédito presumido de ICMS

Os conselheiros da 3ª Turma da Câmara Superior do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) entenderam que não incide PIS e Cofins sobre o crédito presumido de ICMS, por não constituir receita bruta. A decisão foi tomada pelo desempate pró-contribuinte.

Nos autos de infração, a fiscalização apurou a não inclusão na base de cálculo do PIS/Pasep e Cofins de receitas relativas a crédito presumido do ICMS, que é considerado subvenção para investimento. A Receita entendeu que a contribuinte Roche Diagnostica Brasil Ltda não contabilizou os valores na reserva de incentivo fiscal – exigência para excluir o incentivo da base de cálculo das contribuições -, portanto, concluiu que o benefício fiscal recebido se caracterizaria subvenção para custeio, de acordo com o Parecer Normativo CST nº 112/78, constituindo receita tributável para as contribuições.

“São exaustivas as condições que a empresa teve que cumprir para fazer jus ao incentivo que levou-a a abrir a unidade em território catarinense”, disse o advogado Eduardo Martinelli Carvalho, em sustentação oral.

Entre as condições está criar a filial em Santa Catarina, fazer uso da estrutura estadual para suas operações de comércio exterior, comprometer-se com um faturamento mínimo anual, e também contribuir mensalmente com fundos de desenvolvimento social e econômico sustentável e de apoio a pesquisas científicas e tecnológicas do estado. Com isso, argumentou tratar-se de subvenção para investimento, não sujeita à incidência das contribuições.

A relatora, conselheira Vanessa Cecconello, entendeu que “os créditos de ICMS concedidos pelo governo do estado de Santa Catarina não constituem receita bruta em virtude de não serem concedidos sem reservas ou condições”, afastando a hipótese da incidência de PIS e Cofins.

Além disso, a julgadora citou decisão do STJ que entendeu que valores de crédito presumido de ICMS não ostentam natureza de receita de faturamento, mas sim de recuperação de custos na forma de incentivo fiscal, concedidos pelo estado, de forma que não integram a base de cálculo das contribuições exigidas.

O conselheiro Luiz Eduardo de Oliveira Santos abriu divergência por não constar no relatório “a destinação do valor da subvenção para reserva de incentivos fiscais, previstas no artigo 195º A da Lei nº 6404/76, que entendo ser condição necessária para a não tributação, por garantir a impossibilidade de distribuição dos valores e seu efetivo controle no tempo, conforme as leis nº 11941/19 e 12973/14, vigentes nos períodos de apuração em análise”.

Processo  nº 10314.722529/2016-73.

Fonte: Jota

Galeria de Imagens
Outras Notícias
Operação Masqué III: Justiça determina prisão preventiva dos empresários envolvidos em esquema de lavagem de dinheiro
Não cabe cobrar ISS sobre receita presumida de profissões liberais
ES: Juiz concede liminar suspendendo cobrança de Difal até edição de lei estadual
SP: Juíza concede liminar suspendendo cobrança de Difal de empresa antes de 1º/1/2023
Indevida a cobrança de IPI de empresa atacadista na etapa de comercialização de produtos de higiene pessoal
Crédito de PIS/Cofins sobre despesa aduaneira
PGFN anuncia medidas para regularizar dívidas de empresas do Simples Nacional
STJ: Credor fiduciário não paga IPTU antes de consolidar propriedade
Receita Federal exige PIS e Cofins sobre mercadorias “bônus”
Imposto come-cotas: saiba o que é e como ele funciona
IRPJ/CSLL – Lucro Real – Crédito decorrente de decisão judicial – Aspecto Temporal do Reconhecimento da Receita
STJ começa a julgar fixação de honorários por apreciação equitativa em casos de grande valor
COFINS. PIS/PASEP. AQUISIÇÃO DE INSUMOS E DE BENS DO ATIVO IMOBILIZADO DE ATIVIDADES COMERCIAIS. NÃO CABIMENTO DE CRÉDITO.
STJ decide que não é possível aproveitar créditos de PIS e Cofins em insumos de alíquota zero
Opinião: Para STF, ISSQN incide sobre serviços provenientes do exterior
Difal para consumidor final não contribuinte só valerá em 1º de abril
Importação por conta e ordem de terceiros – Benefícios fiscais próprios do adquirente
IRPJ – Lucro Presumido – Serviços de saúde – Percentual de presunção
PIS/COFINS – Gastos com transporte de funcionários – Créditos
Aprovada tributação menor para caminhoneiros inscritos como MEI
IRRF NO PAGAMENTO OU CRÉDITO DE MULTA OU VANTAGENS EM VIRTUDE DE RESCISÃO DE CONTRATO. MOMENTO DA RETENÇÃO. PARCELAMENTO DOS DIREITOS A RECEBER