Carf muda lugar de julgamento de teses após vitórias de contribuintes

Portaria 12.202 permite que outras turmas analisem casos de tributação de juros sobre capital próprio e subvenção para investimentos

A alegria dos contribuintes deu lugar à preocupação no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). A Portaria nº 12.202, publicada ontem no Diário Oficial, passa para a 2ª e a 3ª Turma da Câmara Superior alguns temas analisados pela 1ª Turma. Pelo menos dois entre os 23 assuntos transferidos temporariamente são teses que os contribuintes acabaram de vencer no colegiado. Com a mudança, a discussão sobre os temas começa do zero de novo.

O órgão tem três turmas na Câmara Superior, com seus próprios conselheiros, e a obrigação de julgar temas predeterminados, geralmente divididos por tipos de tributos. A portaria permite que alguns temas sejam julgadas por todas as turmas, temporariamente, até o estoque ficar distribuído de forma mais equilibrada.

Os temas que chamaram a atenção dos contribuintes são a tributação de juros sobre capital próprio e as discussões sobre tributação de subvenção para investimento. Depois de anos de derrota, as empresas obtiveram precedentes favoráveis na 1ª Turma da Câmara Superior, com o fim do voto de qualidade – desempate por parte do presidente, que é sempre representante da Fazenda.

Adequação

O conselho explica que o objetivo com a medida é a adequação do acervo das três turmas, permitindo ganhos de celeridade processual e o equilíbrio do estoque entre os colegiados. A portaria vale para as novas distribuições de processos. Mesmo assim, o Carf indica que o estoque já passará de 299 processos na 1ª Turma da Câmara Superior para 251, na 2ª Turma, de 55 para 72 e na 3ª Turma, de 53 para 84.

Tributaristas questionam os critérios para escolha dos temas. A advogada e ex-conselheira Cristiane Costa, sócia no escritório Thomazinho, Monteiro, Bellangero & Jorge, afirma que poucos processos sobre as matérias foram julgados nos últimos anos, o que gera questionamento sobre a necessidade de remessa a outra turma. “O Carf e a sociedade ganhariam com critérios mais transparentes, para entender a alteração de competência”, diz.

De acordo com Breno Vasconcelos, sócio do escritório Mannrich e Vasconcelos Advogados, não é possível afirmar que se trata de tentativa de mudar o mérito de julgamentos realizados na 1ª Turma, mas falta transparência sobre quais foram os critérios para escolher esses assuntos.

No longo prazo, entendimentos divergentes de turmas superiores sobre o mesmo tema permitem a resolução do Pleno. Enquanto não decidido pelo Pleno, os processos sobre o tema com divergência não podem ser julgados. “Essa alteração de competência pode viabilizar o estancamento de julgamentos até o Pleno julgar”, afirma Vasconcelos.

Fonte: Valor Econômico


Galeria de Imagens
Outras Notícias
Denúncia espontânea não se aplica em caso de compensação, decide Carf
Carf afasta PIS sobre correção de provisão técnica de sociedade de capitalização
Portaria sobre compensação tributária deve gerar judicialização, dizem advogados
STF decide que crédito presumido de IPI a exportadoras não integra o PIS/Cofins
Receita Federal regulamenta a ''Autorregularização Incentivada de Tributos'' para contribuintes com débitos fiscais
Os detalhes da MP que limita compensação tributária e reonera a folha
Entra em vigor lei que altera regras de tributação de incentivos fiscais
Ministério da Fazenda anuncia medidas que asseguram a sustentabilidade fiscal
Lula sanciona com veto lei complementar que faz alterações na Lei Kandir
MP de reoneração da folha de salários prevê alíquota cheia a partir de 2028
Justiça Federal condena dois empresários do ramo frigorífico a penas de quatro anos por sonegação fiscal
Crédito presumido de IPI no PIS/Cofins: vence posição próxima à 'tese do século'
Após votação histórica, Congresso promulga a Reforma Tributária. Veja o que muda nos impostos
RFB regulamenta regularização de créditos tributários decorrentes de decisões em favor da Fazenda Nacional com base no voto de qualidade no CARF
Repetitivo vai decidir sobre legalidade da inclusão de PIS e Cofins na base de cálculo do ICMS
STJ decide que PLR de diretor não pode ser abatida do IRPJ e da CSLL
Fazenda ainda luta por manutenção de vetos à multa qualificada e garantias
Câmara aprova medida provisória da tributação dos incentivos fiscais
Novas restrições ao uso de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa na transação
Sancionada lei com nova tributação para fundos de investimentos e offshores
ICMS-ST também não compõe a base de cálculo de PIS e Cofins, decide STJ