Carf muda lugar de julgamento de teses após vitórias de contribuintes

Portaria 12.202 permite que outras turmas analisem casos de tributação de juros sobre capital próprio e subvenção para investimentos

A alegria dos contribuintes deu lugar à preocupação no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). A Portaria nº 12.202, publicada ontem no Diário Oficial, passa para a 2ª e a 3ª Turma da Câmara Superior alguns temas analisados pela 1ª Turma. Pelo menos dois entre os 23 assuntos transferidos temporariamente são teses que os contribuintes acabaram de vencer no colegiado. Com a mudança, a discussão sobre os temas começa do zero de novo.

O órgão tem três turmas na Câmara Superior, com seus próprios conselheiros, e a obrigação de julgar temas predeterminados, geralmente divididos por tipos de tributos. A portaria permite que alguns temas sejam julgadas por todas as turmas, temporariamente, até o estoque ficar distribuído de forma mais equilibrada.

Os temas que chamaram a atenção dos contribuintes são a tributação de juros sobre capital próprio e as discussões sobre tributação de subvenção para investimento. Depois de anos de derrota, as empresas obtiveram precedentes favoráveis na 1ª Turma da Câmara Superior, com o fim do voto de qualidade – desempate por parte do presidente, que é sempre representante da Fazenda.

Adequação

O conselho explica que o objetivo com a medida é a adequação do acervo das três turmas, permitindo ganhos de celeridade processual e o equilíbrio do estoque entre os colegiados. A portaria vale para as novas distribuições de processos. Mesmo assim, o Carf indica que o estoque já passará de 299 processos na 1ª Turma da Câmara Superior para 251, na 2ª Turma, de 55 para 72 e na 3ª Turma, de 53 para 84.

Tributaristas questionam os critérios para escolha dos temas. A advogada e ex-conselheira Cristiane Costa, sócia no escritório Thomazinho, Monteiro, Bellangero & Jorge, afirma que poucos processos sobre as matérias foram julgados nos últimos anos, o que gera questionamento sobre a necessidade de remessa a outra turma. “O Carf e a sociedade ganhariam com critérios mais transparentes, para entender a alteração de competência”, diz.

De acordo com Breno Vasconcelos, sócio do escritório Mannrich e Vasconcelos Advogados, não é possível afirmar que se trata de tentativa de mudar o mérito de julgamentos realizados na 1ª Turma, mas falta transparência sobre quais foram os critérios para escolher esses assuntos.

No longo prazo, entendimentos divergentes de turmas superiores sobre o mesmo tema permitem a resolução do Pleno. Enquanto não decidido pelo Pleno, os processos sobre o tema com divergência não podem ser julgados. “Essa alteração de competência pode viabilizar o estancamento de julgamentos até o Pleno julgar”, afirma Vasconcelos.

Fonte: Valor Econômico


Galeria de Imagens
Outras Notícias
Operação Masqué III: Justiça determina prisão preventiva dos empresários envolvidos em esquema de lavagem de dinheiro
Não cabe cobrar ISS sobre receita presumida de profissões liberais
ES: Juiz concede liminar suspendendo cobrança de Difal até edição de lei estadual
SP: Juíza concede liminar suspendendo cobrança de Difal de empresa antes de 1º/1/2023
Indevida a cobrança de IPI de empresa atacadista na etapa de comercialização de produtos de higiene pessoal
Crédito de PIS/Cofins sobre despesa aduaneira
PGFN anuncia medidas para regularizar dívidas de empresas do Simples Nacional
STJ: Credor fiduciário não paga IPTU antes de consolidar propriedade
Receita Federal exige PIS e Cofins sobre mercadorias “bônus”
Imposto come-cotas: saiba o que é e como ele funciona
IRPJ/CSLL – Lucro Real – Crédito decorrente de decisão judicial – Aspecto Temporal do Reconhecimento da Receita
STJ começa a julgar fixação de honorários por apreciação equitativa em casos de grande valor
COFINS. PIS/PASEP. AQUISIÇÃO DE INSUMOS E DE BENS DO ATIVO IMOBILIZADO DE ATIVIDADES COMERCIAIS. NÃO CABIMENTO DE CRÉDITO.
STJ decide que não é possível aproveitar créditos de PIS e Cofins em insumos de alíquota zero
Opinião: Para STF, ISSQN incide sobre serviços provenientes do exterior
Difal para consumidor final não contribuinte só valerá em 1º de abril
Importação por conta e ordem de terceiros – Benefícios fiscais próprios do adquirente
IRPJ – Lucro Presumido – Serviços de saúde – Percentual de presunção
PIS/COFINS – Gastos com transporte de funcionários – Créditos
Aprovada tributação menor para caminhoneiros inscritos como MEI
IRRF NO PAGAMENTO OU CRÉDITO DE MULTA OU VANTAGENS EM VIRTUDE DE RESCISÃO DE CONTRATO. MOMENTO DA RETENÇÃO. PARCELAMENTO DOS DIREITOS A RECEBER