Créditos de Pis e Cofins Sobre ICMS e a Compensação com Débitos Previdenciários

Diuturnamente a RFB – Receita Federal do Brasil estabelece por meio de Instrução Normativa e ou por Solução de Consulta obstáculos para que diversos contribuintes fiquem impedidos de requererem toda e qualquer compensação tributária.

De regra, a compensação tributária era somente permitida somente entre tributos de mesma espécie, tala como: crédito de Pis com débito de Pis, crédito de Cofins com débito de Cofins, crédito de CSLL com débito de CSLL, crédito de IRPJ com débito de IRPJ e créditos de INSS somente com débitos de INSS.

Com a criação da RFB – Receita Federal do Brasil, promovida pela Lei ? 11.457/2007, a atual RFB “administra’ todos os tributos acima indicados, fincando portando permitida a compensação,  cabendo-a estabelecer regras/critérios para a sua efetivação.

Na era da escrituração digital (previdenciária, fiscal e contábil), não se mostra nada eficaz que para que seja processado todo e qualquer pedido de restituição e ou pedido de compensação tributária, que seja por meio físico, criando-se obstáculo para ambas as partes (Contribuinte e Fisco), além de horas de demanda de trabalhos realizados pelo servidor público para validar ou não os pedidos.

A Lei nº 11.457/2007, em seu art. 26-A, inciso I, no que concerne às compensações das contribuições sociais, em relação à compensação estabelecida no art. 74 da Lei nº 9.430/1996, previu que a compensação das contribuições a que se referem os arts. 2º (alíneas “A, B e C” do art. 11 da Lei nº 8.212/1991) e 3º (Contribuições a terceiros, incluído INCRA, Salário-Educação), desta lei, só podem ser realizadas pelo “sujeito passivo” que estiver utilizando o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial), para apuração das citadas contribuições, devendo ser observado o disposto no § 1º do art. 26-A, que veda a determinadas compensações, conforme segue:

§1º  Não poderão ser objeto da compensação de que trata o inciso I do caput deste artigo:

I – O débito das contribuições a que se referem os arts. 2º e 3º desta Lei:

a) Relativo a período de apuração anterior à utilização do eSocial para a apuração das referidas contribuições; e

b) Relativo a período de apuração posterior à utilização do eSocial com crédito dos demais tributos administrados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil concernente a período de apuração anterior à utilização do eSocial para apuração das referidas contribuições; e

II – O débito dos demais tributos administrados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil:

a) Relativo a período de apuração anterior à utilização do eSocial para apuração de tributos com crédito concernente às contribuições a que se referem os arts. 2º e 3º desta Lei; e

b) Com crédito das contribuições a que se referem os arts. 2º e 3º desta Lei relativo a período de apuração anterior à utilização do eSocial para apuração das referidas contribuições.

Ou seja, a utilização de crédito, inclusive judicial com trânsito em julgado, só poderá ser utilizado para a compensação com os débitos previdenciários previstos nos arts. 2º [alíneas “A (empresa), B (doméstico) e C (empregados)” do art. 11 da Lei nº 8.212/1991,] e 3º (Contribuições a terceiros, incluído INCRA, Salário-Educação) da Lei nº 11.457/2007 e suas alterações, quando ambos foram constituídos no período de utilização do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial), sendo vedado a compensação com os valores devidos relativos ao salário família e salário maternidade, conforme inciso VIII, do § 3º, do art. 74 da Lei nº 9.430/1996.

Importante ressaltar que, de acordo com o inciso II, do art. 26-A, as contribuições previstas nos art. 2º e art. 3º da Lei nº 11.457/2007, não poderão ser compensadas pelos sujeitos passivos que não apuram suas contribuições pelo Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial). Essas empresas deverão compensar conforme disciplina prevista nos art. 84 a 87 da IN.RFB nº 1.717/2017, aplicável somente para as empresas que não utilizam o eSocial.

O art. 74 da Lei nº 9.430/1996, com suas alterações, estabelece que os créditos fazendários, inclusive os judiciais com trânsito em julgado, administrado pela Secretaria da Receita Federal, passível de restituição ou de ressarcimento, podem ser utilizados na compensação de débitos próprios relativos a quaisquer tributos e contribuições também administrado pela SRF. Já no § 3º, desse artigo, estabelece quais os débitos que não poderão ser compensados. Vejamos o dispositivo legal abaixo:

Art. 74. O sujeito passivo que apurar crédito, inclusive os judiciais com trânsito em julgado, relativo a tributo ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita Federal, passível de restituição ou de ressarcimento, poderá utilizá-lo na compensação de débitos próprios relativos a quaisquer tributos e contribuições administrados por aquele Órgão.

(…)

§ 3oAlém das hipóteses previstas nas leis específicas de cada tributo ou contribuição, não poderão ser objeto de compensação mediante entrega, pela sujeito passivo, da declaração referida no § 1o:

I – O saldo a restituir apurado na Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda da Pessoa Física;

II – Os débitos relativos a tributos e contribuições devidos no registro da Declaração de Importação;

III – Os débitos relativos a tributos e contribuições administrados pela Secretaria da Receita Federal que já tenham sido encaminhados à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional para inscrição em Dívida Ativa da União;

IV – O débito consolidado em qualquer modalidade de parcelamento concedido pela Secretaria da Receita Federal – SRF;

V – O débito que já tenha sido objeto de compensação não homologada, ainda que a compensação se encontre pendente de decisão definitiva na esfera administrativa;

VI – O valor objeto de pedido de restituição ou de ressarcimento já indeferido pela autoridade competente da Secretaria da Receita Federal do Brasil, ainda que o pedido se encontre pendente de decisão definitiva na esfera administrativa;

VII – O crédito objeto de pedido de restituição ou ressarcimento e o crédito informado em declaração de compensação cuja confirmação de liquidez e certeza esteja sob procedimento fiscal;

VIII – Os valores de quotas de salário-família e salário-maternidade; e

IX – Os débitos relativos ao recolhimento mensal por estimativa do Imposto sobre a Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) apurados na forma do art. 2º desta Lei.

(…)

§ 5oO prazo para homologação da compensação declarada pela sujeito passivo será de 5 (cinco) anos, contado da data da entrega da declaração de compensação.

No art. 76 além das hipóteses previstas nas leis específicas de cada tributo e no art. 75, a compensação é vedada e será considerada não declarada quando tiver por objeto:

(…)

XVII – As contribuições a que se referem os arts. 2º e 3º da Lei nº 11.457, de 2007, na hipótese em que a compensação de que trata a Seção I deste Capítulo for efetuada por sujeito passivo que não utilizar o eSocial para apuração das referidas contribuições;

(…)

XIX – o débito das contribuições a que se referem os arts. 2º e 3º da Lei nº 11.457, de 2007:

Relativo a período de apuração anterior à utilização do eSocial para apuração das referidas contribuições; e

Relativo a período de apuração posterior à utilização do eSocial com crédito dos demais tributos administrados pela RFB concernente a período de apuração anterior à utilização do eSocial para apuração das referidas contribuições; ou

XX – o débito dos demais tributos administrados pela RFB:

Relativo a período de apuração anterior à utilização do eSocial para apuração das contribuições a que se referem os arts. 2º e 3º da Lei nº 11.457, de 2007, com crédito concernente às referidas contribuições; e

Com crédito das contribuições a que se referem os arts. 2º e 3º da Lei nº 11.457, de 2007, relativo a período de apuração anterior à utilização do eSocial para apuração das referidas contribuições.

Diante de todo exposto, concluímos que os créditos de PIS e COFINS sobre o ICMS, decorrente de decisão judicial transitada em julgado, consideram-se constituídos no momento do trânsito em julgado, concomitantemente com a homologação da RFB.

Se na data do trânsito em julgado da sentença, a empresa estiver utilizando o eSocial, a mesma poderá utilizar o crédito para compensar os tributos e as contribuições administradas pela Receita Federal do Brasil (RFB), apurados também no eSocial, incluindo os valores devidos a terceiros (inclusive INCRA e salário educação), exceto salário família e salário maternidade, bem como as demais vedações previstas no § 3º, do art. 74 da Lei nº 9.430/1996 e art. 26-A da Lei nº 11.457/2007.


Galeria de Imagens
Outras Notícias
Opinião: O estado de destino não pode se locupletar de ICMS dispensado a origem
STJ: Incide IRPF sobre verbas decorrentes de pacto de não-concorrência
SC: Governo reduz alíquota de ICMS
Redução de capital seguida de venda de participação societária por acionistas: Novas decisões do Carf
Créditos de Pis e Cofins Sobre ICMS e a Compensação com Débitos Previdenciários
Opinião: Fazenda de SC abusa ao cobrar ICMS sobre tarifas de consumidores de energia
STF: Incidência de IPI na revenda de importado é inconstitucional, diz ministro
Supremo analisa inconstitucionalidade do DIFAL das empresas do Simples
STJ: Precatório previdenciário não pode ser utilizado para compensar dívida fiscal com estado
PGFN prorroga a suspensão temporária de medidas de cobrança administrativa da dívida ativa da União e de adesão à transação extraordinária
STF: Ministro mantém ação penal contra empresário acusado de fraude milionária no ICMS
Ações sobre tributo de salário-educação devem envolver a Fazenda Nacional e não o FNDE
Adesão a programa de regularização tributária após denúncia tranca ação penal
Opinião: Os crimes contra a ordem tributária e o acordo de não persecução penal
IRPJ e CSLL não incidem sobre atualização monetária de aplicação financeira, decide juíza
Tributação pelo regime do lucro presumido e a industrialização por encomenda
Confira pagamentos e tributos adiados ou suspensos durante pandemia
Revés na Justiça inibe novas ações por pandemia
Opinião: Pandemia da Covid-19 deve influenciar diretamente na contribuição ao SAT/RAT
ICMS incide em estado onde está quem deu causa à importação, diz STF
Gravidade do dano em crime tributário depende da qualificação do crédito pela Fazenda
Após o Dia das Mães, reflexões sobre o terrorismo tributário
Supremo decide que Contribuinte tem direito à restituição da diferença dos recolhimentos a mais para PIS e Cofins
Empresas inadimplentes não serão excluídas do Simples em 2020
PGFN: Transação extraordinária e transação por adesão são prorrogadas
É possível penhora de cotas sociais de empresa em recuperação para garantir dívida pessoal do sócio
Contribuição patronal sobre salário-maternidade é inconstitucional
Sancionada Lei que permite renegociação de dívidas pelo Simples
STF nega modulação de efeitos em caso sobre guerra fiscal
STF: Contribuição patronal sobre salário-maternidade é inconstitucional
Imunidade do ITBI não alcança valor que excede capital integralizado, diz STF
Derrota do Contribuinte e do Brasil Competitivo: Supremo Limita a Imunidade de ICMS na Exportação
Contribuição previdenciária patronal não deve incidir sobre salário-maternidade
É impenhorável o imóvel que seja comprovadamente o único bem de família
Bloqueio on-line de devedores migrará do Bacenjud para Sisbajud a partir de setembro
Valores de aplicação financeira em CDB de até 40 salários-mínimos são impenhoráveis
Decisão do STF sobre ITBI na integralização de capital tem alcance limitado
Aluguel a terceiros não afasta impenhorabilidade de único imóvel da família
Caixa não tem responsabilidade de indenizar correntista que teve cartão e senha fraudados por terceiros
Exportação de serviços e desoneração de PIS e Cofins na jurisprudência do Carf
ICMS não incide sobre deslocamento interestadual de mercadoria entre estabelecimentos do mesmo titular
STF: Multa de 20% por atraso em entrega de declaração de imposto é constitucional
Contribuição social de 10% sobre saldo do FGTS em demissões sem justa causa é constitucional
Supremo decide pela constitucionalidade da cobrança de IPI de importados na revenda
Opinião: STF e imunidade do ITBI na integralização de capital: procurando pelo ‘lado bom’
Conflitos de jurisprudência acerca da natureza jurídica do terço de férias
STF: Empresa de economia mista de capital aberto não tem direito a imunidade tributária recíproca
Grupo econômico é reconhecido mesmo sem relação de hierarquia entre empresas
PGFN prorroga a suspensão da exclusão de contribuintes de parcelamentos celebrados
STJ reforça divergência sobre defesa prévia em redirecionamento de execução fiscal
STF: Incidência de IPI para importados na entrada no país e na comercialização é constitucional
Supremo decide que contribuição previdenciária patronal incide no terço de férias
Cartório não pode condicionar lavratura de escritura de imóvel à apresentação de CDN
STJ conclui que não incide ISS na incorporação imobiliária em terreno próprio
Imóvel em construção também pode ser considerado bem de família
Receita esclarece divergência de entendimento na aplicação dos créditos de PIS e COFINS na subcontratação de transporte prestado por empresas do Simples
Opinião: A transação tributária é uma relação de ‘ganha-ganha’
Dilatação volumétrica de combustível pelo calor não constitui fato gerador de ICMS
STF: Valores pagos a administradoras de cartões integram cálculo de PIS e Cofins
Crédito de PIS e Cofins na aquisição de insumos sujeitos à entrega futura
De meu bem a meus bens: a discussão sobre partilha do patrimônio ao fim da comunhão parcial
SP: Justiça condena empresário por crimes contra a ordem tributária e sonegação previdenciária
Opinião: O ICMS na transferência entre estabelecimentos da mesma empresa
Concomitância entre multas isoladas e de ofício após MP e súmula do Carf
JFSP: Empresário é condenado por crime contra a ordem tributária
Supremo julga edição de lei complementar para cobrança da DIFAL em operações interestaduais com mercadorias vendidas a consumidores finais não contribuintes do imposto
Carf analisa operações com uso de Fundo de Investimento em Participação (FIP)
CARF: Publicado acórdão afirmando a impossibilidade de revisão de lançamento efetuado através de Auto de Infração em hipótese não prevista no CTN
Publicado Acórdão do STJ que define que a declaração judicial de nulidade do negócio jurídico de compra e venda enseja a restituição do ITBI
SISCOSERV – A obrigação está extinta