Código Florestal define faixa não edificável a partir de curso d’água em áreas urbanas

Em julgamento de recursos especiais repetitivos (Tema 1.010), a Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por unanimidade, firmou o entendimento de que o Código Florestal (Lei? ??12.651/2012) deve ser aplicado para a delimitação da extensão da faixa não edificável a partir das margens de cursos d’água em áreas urbanas consolidadas.

Segundo o relator, ministro Benedito Gonçalves, a ?definição? pela incidência do código ?leva em consideração? ?a? ?melhor? ?e? ?mais? ?eficaz? ?proteção? ?ao? ?meio? ?ambiente?,? ?como dispõe o? ?artigo? ?225? ?da? ?Constituição Federal,? observando o? ?princípio? ?do? ?desenvolvimento? ?sustentável? ?(artigo? ?170,? ?VI)? ?e? ?as? ?funções? ?social? ?e? ?ecológica? ?da? ?propriedade.

A tese fixada no julgamento foi a seguinte: “Na vigência do novo Código Florestal (?Lei? ??12.651/2012), a ?extensão? ?não? ?edificável? ?nas Áreas de Preservação Permanente ?(APPs) de? ?qualquer? ?curso? ?d’água,? ?perene? ?ou? ?intermitente,? ?em? ?trechos? ?caracterizados? ?como? ?área? ?urbana? ?consolidada,? ?deve? ?respeitar? ?o? ?que? ?disciplinado? ?pelo? seu ?artigo? ?4º,? ?caput,? ?inciso? ?I,? ?alíneas? ?’a',? ‘?b’,? ‘?c’,? ‘?d’? ?e? ‘?e’,? ?a? ?fim? ?de? ?assegurar a ?mais? ?ampla? garantia ?ambiental? ?a? ?esses? ?espaços? ?territoriais ?especialmente? ?protegidos e, por conseguinte, à coletividade”.

Áreas urbanas

O ministro Benedito Gonçalves lembrou que, antes da entrada em vigor do novo Código Florestal, o STJ pacificou a compreensão de que as normas do antigo código é que deveriam disciplinar a largura mínima dessas faixas marginais em meio urbano (REsp 1.518.490).

“Deve-se,? ?portanto,? ?manter? ?o? ?entendimento? ?desta? ?Corte? ?Superior? ?de? ?que? ?não? ?se? ?pode? ?tratar? ?a? ?disciplina? ?das? ?faixas? ?marginais? ?dos? ?cursos? ?d’água? ?em? ?áreas? ?urbanas? ?somente? ?pela? ?visão? ?do? direito? ?urbanístico,? enxergando cada urbis de forma isolada, ?pois? ?as? ?repercussões? ?das? ?intervenções? ?antrópicas? ?sobre? ?essas? ?áreas? ?desbordam,? ?quase? ?sempre,? ?do? ?eixo? ?local”, observou.

Em seu voto, o relator considerou que o artigo 4º, caput, inciso I, do novo código – ao prever medidas mínimas superiores para as faixas marginais de qualquer curso d’água natural perene ou intermitente, sendo especial e específica para o caso diante do previsto no artigo 4º, III, da Lei do Parcelamento do Solo Urbano (Lei 6.766/1976) – deve reger a proteção das APPs ciliares ou ripárias em áreas urbanas consolidadas, espaços territoriais especialmente protegidos, que não se condicionam a fronteiras entre o meio rural e o urbano.

De acordo com o relator, tal entendimento não se altera pela superveniência da Lei 13.913/2019, que suprimiu a expressão “salvo maiores exigências da legislação específica” do inciso III do artigo 4º da Lei 6.766/1976.

Ampla proteção

Para o magistrado, pelo critério da especialidade, o artigo 4º do novo Código Florestal é o que garante a mais ampla proteção ao meio ambiente, em áreas urbana e rural, devendo, por isso, prevalecer.

O ministro acrescentou que a não aplicação da norma, que expressamente determina a incidência do novo Código Florestal também ao meio urbano, afronta o enunciado da Súmula Vinculante 10 do Supremo Tribunal Federal, segundo a qual a decisão de órgão fracionário de tribunal que deixa de aplicar uma lei sem declarar sua inconstitucionalidade viola a cláusula de plenário.

“O fato de agora o inciso III-A do artigo 4º da Lei 6.766/1976 expressamente estabelecer, em caráter geral, a determinação do distanciamento de ‘no mínimo’ 15 metros apenas reforça a função de norma geral norteadora da menor distância que as faixas marginais, não edificáveis, devem manter dos cursos d’água, o que, por uma visão teleológica do sistema de proteção ambiental, não restringe a aplicação do artigo 4º, caput, da Lei 12.651/2012 às áreas urbanas consolidadas”, afirmou Benedito Gonçalves.

Esta notícia refere-se ao(s) processo(s):

REsp 1770760

REsp 1770808

REsp 1770967

STJ

Galeria de Imagens
Outras Notícias
Denúncia espontânea não se aplica em caso de compensação, decide Carf
Carf afasta PIS sobre correção de provisão técnica de sociedade de capitalização
Portaria sobre compensação tributária deve gerar judicialização, dizem advogados
STF decide que crédito presumido de IPI a exportadoras não integra o PIS/Cofins
Receita Federal regulamenta a ''Autorregularização Incentivada de Tributos'' para contribuintes com débitos fiscais
Os detalhes da MP que limita compensação tributária e reonera a folha
Entra em vigor lei que altera regras de tributação de incentivos fiscais
Ministério da Fazenda anuncia medidas que asseguram a sustentabilidade fiscal
Lula sanciona com veto lei complementar que faz alterações na Lei Kandir
MP de reoneração da folha de salários prevê alíquota cheia a partir de 2028
Justiça Federal condena dois empresários do ramo frigorífico a penas de quatro anos por sonegação fiscal
Crédito presumido de IPI no PIS/Cofins: vence posição próxima à 'tese do século'
Após votação histórica, Congresso promulga a Reforma Tributária. Veja o que muda nos impostos
RFB regulamenta regularização de créditos tributários decorrentes de decisões em favor da Fazenda Nacional com base no voto de qualidade no CARF
Repetitivo vai decidir sobre legalidade da inclusão de PIS e Cofins na base de cálculo do ICMS
STJ decide que PLR de diretor não pode ser abatida do IRPJ e da CSLL
Fazenda ainda luta por manutenção de vetos à multa qualificada e garantias
Câmara aprova medida provisória da tributação dos incentivos fiscais
Novas restrições ao uso de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa na transação
Sancionada lei com nova tributação para fundos de investimentos e offshores
ICMS-ST também não compõe a base de cálculo de PIS e Cofins, decide STJ