Opinião: O novo entendimento da Receita sobre as subvenções para investimento

No fim do ano passado, a Receita Federal do Brasil surpreendeu a todos com a publicação de duas soluções de consulta, revendo seu entendimento sobre as subvenções para investimento. O posicionamento adotado na Solução de Consulta Cosit nº 145/2020 e na Solução de Consulta Disit/SRRF01 nº 1009, publicadas, respectivamente, em 22 e 24 de dezembro, impactou a possibilidade de exclusão das subvenções da base de cálculo do IRPJ e da CSLL.

Como se sabe, a concessão de benefícios fiscais estaduais implica na redução do valor do ICMS a recolher, tendo como contrapartida o aumento do lucro contábil e, por conseguinte, do lucro real (base de cálculo do IRPJ) e da base de cálculo da CSLL. Em razão disso, e de uma forma geral, as subvenções governamentais assumem a natureza jurídica de receita para as entidades beneficiadas.

As subvenções podem ser classificadas em subvenção para investimento e subvenção para custeio. As subvenções para custeio são concedidas para que as empresas possam fazer frente aos seus custos, ou seja, suportar a sua operação. As subvenções para investimento, por seu turno, têm como finalidade a expansão da atividade empresarial, com crescimento do seu parque industrial ou desenvolvimento de novas atividades, por exemplo.

A partir da publicação da Lei Complementar (LC) nº 160/2017, as subvenções para custeio passaram a ser equiparadas às subvenções para investimento, nos termos do §4º do artigo 30 da Lei nº 12.973/2014, segundo o qual “os incentivos e os benefícios fiscais ou financeiro-fiscais relativos ao imposto previsto no inciso II do caput do artigo 155 da Constituição Federal, concedidos pelos Estados e pelo Distrito Federal, são considerados subvenções para investimento, vedada a exigência de outros requisitos ou condições não previstos neste artigo”.

Assim, a partir da Lei Complementar nº 160/2017, passou a prevalecer o entendimento segundo o qual, superadas as discussões sobre o enquadramento ou não das subvenções nas categorias “investimento” ou “custeio”, os benefícios fiscais de ICMS concedidos em atendimento ao regramento constitucional e promulgados no âmbito do Confaz passaram a ser considerados como subvenção de investimento, devendo ser observadas, para tanto, as disposições do artigo 30 da Lei nº 12.973/2014. A definição estabelecida na LC nº 160/2017 permitia uma compreensão e aplicação mais segura acerca da tributação sobre os benefícios fiscais de ICMS.

Corroborando a possibilidade de exclusão dos benefícios fiscais de ICMS da base de cálculo do IRPJ e da CSLL, no início de 2020 foram publicadas a Solução de Consulta Cosit nº 11/2020 e a Solução de Consulta Disit/SRRF01 nº 1008/2020, consolidando o entendimento que vinha sendo adotado desde a edição da Lei Complementar nº 160/2017.

Na Solução de Consulta Cosit nº 11/2020, foi claramente afirmado que, por meio da inclusão do § 4º no artigo 30 da Lei nº 12.973/2014, a Lei Complementar nº 160/2017 atribuiu a todos os benefícios fiscais a qualificação de subvenção para investimento, reconhecendo que “a LC nº 160, de 2017, atribui a qualificação de subvenção para investimento a todos os incentivos e os benefícios fiscais ou econômico-fiscais atinentes ao ICMS”.

Por conseguinte, o tratamento tributário dado aos incentivos e benefícios fiscais de ICMS, no que tange ao IRPJ e CSLL, passou a ser aquele das subvenções para investimento, bastando o cumprimento das exigências quanto à contabilização dos valores, previstas na Instrução Normativa nº 1.700/2017, sem haver a necessidade de que tenham sido aplicados na implantação ou expansão do empreendimento econômico, ou que fosse firmado termo de acordo com o Estado outorgante da subvenção.

Ocorre que, no final do ano de 2020, a Receita Federal do Brasil surpreendeu a todos com a revisão do posicionamento apresentado nas Soluções de Consulta anteriormente publicadas e editou a Solução de Consulta Cosit nº 145/2020 e a Solução de Consulta Disit/SRRF01 nº 1009/2020, demandando novas orientações para a interpretação das subvenções de investimento.

Por meio das referidas soluções de consulta, a Receita Federal do Brasil, reformulando seu posicionamento, passou a entender que os benefícios fiscais considerados como subvenções para investimento somente poderão ser excluídos da base de cálculo do IRPJ e da CSLL se forem atendidos os requisitos previstos no artigo 30 da Lei nº 12.973/2014, especialmente quanto à necessidade de que tenham sido concedidos como estímulo à implantação ou expansão de empreendimentos econômicos.

Nesse contexto, no entendimento da RFB, para que as subvenções para investimento não sejam computadas na base de cálculo do IRPJ e da CSLL, deverá ser previamente demonstrado que o benefício fiscal foi concedido como estímulo à implantação ou expansão de empreendimentos econômicos, com a prévia assinatura de termo, de acordo com o Estado outorgante do benefício fiscal, além da necessária contabilização dos valores na forma da lei.

Significa dizer que, desde então, a exclusão dos benefícios fiscais de ICMS da base de cálculo do IRPJ e da CSLL que não se enquadram no “novo” conceito de subvenção para investimento trará risco de autuação às empresas.

Não é demais lembrar, contudo, que as cortes superiores já analisaram a questão da exclusão de benefícios fiscais estaduais da base de cálculo do IRPJ e da CSLL. A matéria foi objeto de análise pela 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça nos Embargos de Divergência em Recurso Especial nº 1.517.492/PR, em que foi reconhecido que benefícios fiscais de ICMS não integram a base de cálculo do IRPJ e da CSLL.

Portanto, não obstante o posicionamento desfavorável aos contribuintes por parte da Receita Federal do Brasil, existem bons fundamentos para buscar o reconhecimento judicial do direito à exclusão dos benefícios fiscais de ICMS da base de cálculo do IRPJ e da CSLL, com base em julgados proferidos pelo Superior Tribunal de Justiça.

***

Por Danielle Bertagnolli é advogada tributarista na Carpena Advogados Associados e especialista em Direito Tributário.

Revista Consultor Jurídico

Galeria de Imagens
Outras Notícias
Opinião: Lei Complementar nº 194/2022 e a redução das contas de energia elétrica
STJ afasta multa de 100% por sonegação fiscal em importação
PGFN permite uso de prejuízo fiscal sobre valor principal de dívida
Contribuinte pode requerer compensação do crédito presumido de IPI com qualquer tributo federal
STJ nega penhora on-line antes de citação
PGFN dificulta uso de prejuízo fiscal em acordos
CARF e CSRF aceitam planejamento fiscal de franquias
Decreto altera regulamentação do IOF nas operações de câmbio relativas à transferência para o exterior
Tributação das parcerias na advocacia
A redenção dos Juros sobre o Capital Próprio
STJ confirma apreensão de passaporte de devedor de alimentos que viajava de primeira classe ao exterior
Solução de consulta da Receita dispõe sobre a aplicação do RET-Incorporação às receitas decorrentes das vendas de unidades imobiliárias
Código de defesa do pagador de impostos entre Holmes e Marshall
Nova Norma do IPI põe Fim a Discussões sobre Planejamento Fiscal dos Industriais
PIS – Créditos – Despesas com fretes
Receita deve apontar crime para pedir investigação do Ministério Público
Mantida condenação de administrador de frigorífico que sonegou mais de R$ 5,9 milhões em impostos
CSRF: Embalagens secundárias não se enquadram como insumos para direito ao crédito de PIS e COFINS
Empresário precisa de autorização do cônjuge para ser fiador da empresa
Finalidade societária como propósito negocial
Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse)