O que fazer com o lucro dos créditos fiscais

Aparentemente, as demonstrações financeiras relativas ao encerramento do ano de 2021 serão publicadas em ambiente de paz sobre os créditos fiscais decorrentes de decisões do Supremo Tribunal Federal. Os auditores independentes “venceram” a batalha sobre o momento do reconhecimento contábil dessas decisões judiciais e a Receita Federal reconheceu parte dos pleitos – também judiciais – sobre o momento da tributação do indébito tributário. Cabe agora aos sócios, acionistas e quotistas, tomarem a decisão sobre o que fazer com o lucro gerado pelo reconhecimento dos créditos fiscais.

Tais créditos fiscais são reconhecidos como ativo da empresa, o que implica como contrapartida o reconhecimento de receita. Essa receita, sabemos, aumenta o resultado (quer gerando efetivamente lucro quer reduzindo prejuízo). Embora no caso de parte desses ativos fiscais não haja incidência dos tributos sobre o lucro (IRPJ/CSLL) no momento do reconhecimento – segundo a Receita Federal, a referida incidência se dará quando do primeiro pedido de compensação, se for o caso –, sua escrituração contábil será pelo valor líquido, ficando diferido os mencionados tributos.

Outros ativos fiscais são registrados na própria conta de IRPJ/CSLL, o que desde logo impede a sua tributação. De qualquer maneira, em nenhum desses casos há certeza da geração do caixa correspondente: em conclusão, as empresas verificarão um aumento do lucro, sem necessariamente caixa.

Quais as decisões possíveis para a deliberação dos sócios sobre esse lucro?

Em primeiro lugar, distribui-lo como dividendos. Essa será uma obrigatoriedade, inclusive, no caso das sociedades por ações, em razão do dividendo mínimo legalmente previsto. Nesse caso, a questão do caixa deverá ser equacionada.

 Depois, o lucro pode ser utilizado para aumentar o capital social da empresa. Nessa opção, os sócios não ganham caixa, mas ganham com o aumento do custo da sua participação societária; não há desembolso de caixa, o que preserva a liquidez da empresa. Porém, caso, no futuro, os sócios queiram realizar esse valor, deverão ser cumpridas as formalidades para a redução do capital social.

Por fim, esse lucro poderá ser mantido na empresa. No caso de sociedades limitadas e sociedades por ações abertas apenas por dívida, basta a deliberação da maioria dos sócios ou da unanimidade dos acionistas, respectivamente, para que o lucro seja retido. Alternativamente, os sócios podem deliberar por constituir reserva de lucro, no entanto, as hipóteses – e, principalmente, suas razões legais – devem ser observadas.

As reservas de lucros também podem ser opção para as companhias abertas. Também nesse caso as hipóteses de reserva e sua motivação, conforme preceitua a legislação societária, devem ser respeitadas. Uma dessas reservas que parece fazer sentido é a reserva de lucros a realizar, porque a disponibilidade do resultado contábil depende de um evento alheio à administração da empresa. Ressalta-se, entretanto, que a reserva de lucros a realizar é, na verdade, uma “reserva de dividendos”, pois a sua distribuição aos sócios é automática tão logo o respectivo lucro se realize.

Por Edison Fernandes

Doutor em Direito pela PUC-SP, professor doutor da FEA-USP e da FGV Direito SP, titular da Academia Paulista de Letras Jurídicas

Fonte: Valor Econômico


Galeria de Imagens
Outras Notícias
Denúncia espontânea não se aplica em caso de compensação, decide Carf
Carf afasta PIS sobre correção de provisão técnica de sociedade de capitalização
Portaria sobre compensação tributária deve gerar judicialização, dizem advogados
STF decide que crédito presumido de IPI a exportadoras não integra o PIS/Cofins
Receita Federal regulamenta a ''Autorregularização Incentivada de Tributos'' para contribuintes com débitos fiscais
Os detalhes da MP que limita compensação tributária e reonera a folha
Entra em vigor lei que altera regras de tributação de incentivos fiscais
Ministério da Fazenda anuncia medidas que asseguram a sustentabilidade fiscal
Lula sanciona com veto lei complementar que faz alterações na Lei Kandir
MP de reoneração da folha de salários prevê alíquota cheia a partir de 2028
Justiça Federal condena dois empresários do ramo frigorífico a penas de quatro anos por sonegação fiscal
Crédito presumido de IPI no PIS/Cofins: vence posição próxima à 'tese do século'
Após votação histórica, Congresso promulga a Reforma Tributária. Veja o que muda nos impostos
RFB regulamenta regularização de créditos tributários decorrentes de decisões em favor da Fazenda Nacional com base no voto de qualidade no CARF
Repetitivo vai decidir sobre legalidade da inclusão de PIS e Cofins na base de cálculo do ICMS
STJ decide que PLR de diretor não pode ser abatida do IRPJ e da CSLL
Fazenda ainda luta por manutenção de vetos à multa qualificada e garantias
Câmara aprova medida provisória da tributação dos incentivos fiscais
Novas restrições ao uso de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa na transação
Sancionada lei com nova tributação para fundos de investimentos e offshores
ICMS-ST também não compõe a base de cálculo de PIS e Cofins, decide STJ