Opinião: A legitimidade da matriz para representação processual de filiais em causas tributárias

Há muito se discute a legitimidade da sede de contribuintes para representar suas filiais em juízo em processos de natureza tributária, especialmente porque alguns tributos são apurados e pagos de forma descentralizada em cada estabelecimento, como ocorre, por exemplo, como o IPI e o ICMS.

Em abril de 2014, por exemplo, a 1ª Turma do STJ estabeleceu, no julgamento do Recurso Especial n.º 1.100.690/RJ, sob relatoria do ministro Napoleão Nunes Maia, que “a matriz não tem legitimidade para representar processualmente as filiais, nos casos em que o fato gerador do tributo se opera de maneira individualizada em cada estabelecimento comercial/industrial, haja vista que, para fins fiscais, matriz e filial são considerados entes autônomos”.

O caso tratava de ação ajuizada para repetição de indébito de ICMS e o contribuinte teve seu direito negado em razão de ter incluído no polo ativo da demanda apenas seu estabelecimento matriz, quando o direito creditório perseguido decorria de recolhimentos realizados exclusivamente por suas filiais.

O entendimento, inclusive, replica orientação histórica do STJ, que já em 2005 possuía precedente no sentido de que “em se tratando de tributo cujo fato gerador operou-se de forma individualizada, tanto na matriz, quanto nas filiais, não se outorga àquela legitimidade para demandar, isoladamente, em juízo, em nome destas”.

No entanto, sem muito alarde, o posicionamento até então sedimentado na corte superior foi substancialmente alterado no começo do ano de 2021, especialmente a partir do julgamento do Agravo em Recurso Especial nº 731.625/RJ, oportunidade em que se entendeu que a contribuição para o SAT (que varia de acordo com o grau de risco de cada estabelecimento e, portanto, é recolhida de forma individualizada) devida por cada filial poderia ser questionada judicialmente pela matriz.

Na oportunidade, o relator, ministro Napoleão Nunes Maia, ficou vencido por ter adotado o entendimento até então predominante no STJ no sentido de que as filiais deveriam pleitear direito em nome próprio quando se trata de tributo apurado de forma individualizada.

Prevaleceu, todavia, o racional de que “o fato de as filiais possuírem CNPJ próprio confere a elas somente autonomia administrativa e operacional para fins fiscalizatórios, não abarcando a autonomia jurídica, já que existe a relação de dependência entre o CNPJ das filiais e o da matriz”.

Deve-se destacar que, como o precedente em questão tratava de contribuição previdenciária e grande parte dos julgados que desautorizava a matriz de ingressar em juízo na qualidade de representante processual de suas filiais versava sobre ações envolvendo o ICMS, ainda há incerteza se o STJ também alterará seu entendimento neste cenário.

É que, como mencionado, o posicionamento até então dominante adotava como pressuposto que, em se tratando de tributação de operações com mercadorias, o fato gerador do tributo se opera de maneira individualizada em cada estabelecimento comercial/industrial.

A tendência, no entanto, é que o entendimento também seja aplicado com relação a impostos que possuem como fato gerador a circulação de mercadorias, mesmo sendo tais atos praticados individualmente por cada estabelecimento comercial/industrial, especialmente porque no voto condutor proferido no julgamento do Agravo em Recurso Especial nº 731.625/RJ o ministro Gurgel de Faria citou textualmente tais tributos ao mencionar que “o fato das filiais possuírem CNPJ próprio confere a elas somente autonomia administrativa e operacional para fins fiscalizatórios, a fim de facilitar a atuação da administração fazendária no controle de determinados tributos, como ocorre com o ICMS e IPI”.

Ainda de acordo com o ministro Gurgel de Faria, as filiais são estabelecimentos sem autonomia e personalidade jurídica e desprovidas de qualquer patrimônio próprio, de modo que não podem postular de forma independente em juízo.

Diante disso, como o patrimônio de um contribuinte pertence à pessoa jurídica como um todo, concluiu o ministro que estaria a matriz autorizada até mesmo a pleitear compensação tributária relativa a indébitos de suas filiais, já que tais créditos pertencem à sociedade.

Por fim, faz-se importante destacar que tal precedente não autoriza que autoridades fazendárias concentrem no estabelecimento matriz a fiscalização de atos praticados por suas filiais, uma vez que o voto vencedor proferido no julgamento do Agravo em Recurso Especial nº 731.625/RJ foi assertivo no sentido de que as filiais continuam dotadas de “autonomia administrativa e operacional para fins fiscalizatórios”.

Portanto, ao se debruçar sobre atos praticados individualmente por filiais, ainda deverá a fiscalização investigar especificamente cada um desses estabelecimentos, não sendo a matriz responsável por responder por qualquer fato gerador por eles praticados.

***

Por João Pedro Quintanilha Rezende, associado da área tributária de Trench Rossi Watanabe.

Fonte: Revista Consultor Jurídico

Galeria de Imagens
Outras Notícias
Denúncia espontânea não se aplica em caso de compensação, decide Carf
Carf afasta PIS sobre correção de provisão técnica de sociedade de capitalização
Portaria sobre compensação tributária deve gerar judicialização, dizem advogados
STF decide que crédito presumido de IPI a exportadoras não integra o PIS/Cofins
Receita Federal regulamenta a ''Autorregularização Incentivada de Tributos'' para contribuintes com débitos fiscais
Os detalhes da MP que limita compensação tributária e reonera a folha
Entra em vigor lei que altera regras de tributação de incentivos fiscais
Ministério da Fazenda anuncia medidas que asseguram a sustentabilidade fiscal
Lula sanciona com veto lei complementar que faz alterações na Lei Kandir
MP de reoneração da folha de salários prevê alíquota cheia a partir de 2028
Justiça Federal condena dois empresários do ramo frigorífico a penas de quatro anos por sonegação fiscal
Crédito presumido de IPI no PIS/Cofins: vence posição próxima à 'tese do século'
Após votação histórica, Congresso promulga a Reforma Tributária. Veja o que muda nos impostos
RFB regulamenta regularização de créditos tributários decorrentes de decisões em favor da Fazenda Nacional com base no voto de qualidade no CARF
Repetitivo vai decidir sobre legalidade da inclusão de PIS e Cofins na base de cálculo do ICMS
STJ decide que PLR de diretor não pode ser abatida do IRPJ e da CSLL
Fazenda ainda luta por manutenção de vetos à multa qualificada e garantias
Câmara aprova medida provisória da tributação dos incentivos fiscais
Novas restrições ao uso de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa na transação
Sancionada lei com nova tributação para fundos de investimentos e offshores
ICMS-ST também não compõe a base de cálculo de PIS e Cofins, decide STJ